CARLOS FÁVARO NA SEMA É A RAPOSA CUIDANDO DO GALINHEIRO: Agora, com essa surpreendente decisão do governador Zé Pedro Taques de nomear um ruralista para cuidar da Sema, como reagirá a promotora Ana Peterlini, que já deve ter voltado à função de fiscal do cumprimento das leis quanto à proteção do nosso Meio Ambiente? Certamente que há instrumentos na legislação para questionar esta decisão. Se o coitado do Moacir Pires, lá atrás, representou uma ousadia de Blairo Maggi, que dirá esta cartada do Zé Pedro. Com uma Assembleia de caititus, ao molde do Riva, e uma mídia complacente, ao modo do Éder, sempre haverá aplausos para quem comanda mas vacila no Paiaguás, detendo a chave do cofre. Restaria-nos o MP. Mas já se viu o MP que nós temos. Será que a banda menos midiática do MP, de Domingos Sávio Arruda e Luis Scaloppe, vai também se calar vendo os pretensos depredadores avançarem cheios de gana sobre as estruturas de nosso Meio Ambiente, abençoados pelo governador Zé Pedro?

Zé Pedro Taques e Carlos Fávaro

Zé Pedro Taques e Carlos Fávaro

Fávaro é a raposa

Por Enock Cavalcanti

Meus amigos, meus inimigos: passado um ano e tanto, o que tivemos de bom, no governo do Zé Pedro Taques, além das prisões de alguns malandros estaduais? Claro, houve aquele grupo de malandros que Zé Pedro colocou debaixo de sua asa.  Sobra empáfia mas o governo do Zé Pedro continua sendo basicamente uma expectativa.

Veja a Secretária do Meio Ambiente. O que tivemos ali foi uma patacoada,  já que a promotora Ana Peterlini simplesmente era a mulher que não deveria estar lá.

O que fez Peterlini, na Sema, à luz do que decidiram os ministros do STF, além de descuidar das suas responsabilidades como membro do Ministério Público? Carimbou papéis, garantiu pagamento dos salários, permitiu a queima de caminhões de madeireiros que poderiam ter outra utilização no interesse de nosso povo – e o que mais? As queimadas parecem mesmo incontroláveis.

Agora, com essa surpreendente decisão do governador de nomear um ruralista para cuidar da Sema, como reagirá Peterlini,  que já deve ter voltado à função de fiscal do cumprimento das leis quanto à proteção do nosso Meio Ambiente?

Certamente que há instrumentos na legislação para questionar esta decisão. Se o coitado do Moacir Pires, lá atrás, representou uma ousadia de Blairo Maggi, que dirá esta cartada do Zé Pedro. Com uma Assembleia de caititus, ao molde do Riva, e uma mídia complacente, ao  modo do Éder, sempre haverá aplausos para quem comanda mas vacila no Paiaguás, detendo a chave do cofre. Restaria-nos o MP. Mas já se viu o MP que nós temos.

Será que a banda menos midiática do MP, de Domingos Sávio Arruda e Luis Scaloppe, vai também se calar vendo os pretensos depredadores avançarem cheios de gana sobre as estruturas do Meio Ambiente, abençoados pelo governador Zé Pedro?

Sojicultor emérito e agora cacique partidário, Carlos Fávaro, entronizado no comando da Sema, nos leva de volta à história, tão repetida e sempre tão angustiante, da raposa colocada para cuidar do galinheiro. Fávaro é a raposa – e nossas reservas naturais, ao que tudo indica, farão o papel das galinhas, em meio a esta decisão pouco refletida do governador tucano. Ou será o vice capaz de construir roteiro menos viciado? Difícil imaginar, já que a prática é o critério da verdade – e a prática do senhor Fávaro tem sido trabalhar para que o território mato-grossense se transforme em meio de produção privilegiado para lavouras de alta escala, visando a exportação, e visando principalmente os dólares, que fazem milionárias poucas famílias que vão sequestrando as áreas agricultáveis de nosso território.

Preocupação com o envenenamento da Natureza pelos agrotóxicos? Cuidado com nossos mananciais aquíferos? Ampliação dos espaços para a agricultura familiar em face da soja? Pacificação dos conflitos rurais, com a acomodação dos sem terra? Devolução das áreas públicas griladas por alguns grandes produtores?

Imagino que o plano de ação de Fávaro terá pouco a ver com as preocupações dos ambientalistas, dos trabalhadores rurais, e outros setores conscientes da sociedade.

Lembro que Dante de Oliveira, no passado, teve a sacada de apostar na capacidade administrativa do Sérgio Guimarães que, desde então, se transformou em uma referência nacional e internacional nessa área ambiental tão conflitada.

Zé Pedro sacou o nome do Fávaro porque tem se concentrado cada vez mais na panelinha que o cerca. Com a panelinha dos promotores, a gente já viu no que deu. O fato é que a raposa está no galinheiro.

 

 

 

Enock Cavalcanti, jornalista, é editor de Cultura do Diário de Cuiabá

 

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 66.249.88.151 - Responder

    Claro se ele é governador foi porque eles colocaram ele lá..ou acham que eles não cobrariam os milhões gasto na capanha..

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

17 − um =