Bruno Boaventura e o inapoderável. “Impunível! Saiba que seu poder a mim nada representa!” – grita um homem só

Bruno Boaventura é advogado em Cuiabá

Bruno Boaventura é advogado em Cuiabá

O inapoderável

por BRUNO BOAVENTURA

 

O impunível. Ato 2.

Prólogo: O silêncio então é quebrado com o súbito coro de um homem só. Entoando palavras de esperança surgindo no meio da plateia ao ritmo de um fundo musical clássico enquanto caminha em direção ao palco.

Impunível! Saiba que o seu poder a mim nada representa. Nada mais é do que a treliça emperrada de uma janela. Até agora, aguentei calado toda a sua catilinária. Não mais esconderás a luz da Democracia!

Saiba que tantos como ti já enfrentei, e se estou aqui livremente para falar é porque todos venci. Nessa luta, vive e aprendi o que sou: um cidadão que vale por mil.

A metástase que maquiniza aos senhores é sempre a mesma, como psicopatas sociais não percebem a consciência sendo fratricida. São senhores do irracional. São seres desumanizados. Negam a própria essência de sua espécie. Não há Sociedade em seu sentido de vida.

Refletem-se como engrenagens implacáveis, mas o tempo lhes expõe como mera ferrugem. Para sua ambição, não há tanto vil metal no mundo capaz de aplacar.

Achas mesmo que permitiria tornar-lhe inimputável com aprovação da PEC 37? Tolice de quem não conhece a sua própria circunstância. Sua arrogância o torna cego para o seu pior inimigo.

Quem sou eu ?

Aquele que lhe faz em dor à noite pelo sofrimento enxergado de dia. Aquele que lhe faz em castigo pela intranqüilidade do seu destino. Aquele que lhe faz em mentira pela verdadeira realidade. Eu sou o miserável. Aquele que morre, de fome, violentado, ou oprimido sob a sua sombra

À igualdade, basta de tanta blasfêmia! Eu sou o negro que é negada a raça, mas rompe com os grilhões da escravidão. O índio que é negada a cultura, mas sobrevive ao genocídio. A mulher que é negado o gênero, mas principia a feminilidade da vida. O agricultor que é negada a terra, mas alimenta todos. O jovem que é negada a oportunidade, mas torna a rua um espaço público. A criança que é negada a comida, mas sonha com um futuro. O idoso que é negada a vida, mas não se arrepende do passado. A nação que é negada a identidade, mas se faz brasileira tal como latina- americana.

Eu sou o escravo do tempo de sempre. Eu sou o servo da modernidade. Aquele que trabalha, trabalha, até o sangue escorrer em suor e lágrimas. Aquele que se indigna, se conscientiza, enfrenta, mobiliza, luta até que a vitória seja menor do que a glória da participação na história. Aquele que não se pode dar o poder pelo medo da perda do seu privilégio de classe: eu sou o inapoderável!

Impunível! Em meu nome todo o seu poder emana, em meu nome sua glória é constituída, em meu nome sua propriedade se torna reino, em nome seus cúmplices se tornam nobres. Em meu nome o Estado se torna seu feudo.

Basta! Iluminai a Democracia! Abra-te janela do mundo! Que agora em diante, todas as decisões sejam nossas e transpareçam aos olhos de todos. Que sejamos poderáveis, e que nenhum seja poderoso. Que possamos tornar o espaço político em propriedade coletiva.

Que o Estado vire as costas ao Mercado e novamente ajoelhe-se perante a Sociedade pedindo perdão por ter criado um monstro burocrático chamado de impunível. Que seja feita uma nova Assembléia Constituinte. Que possa ser cantado o hino nacional sobre a cova do autoritarismo da impunidade daquele que trai aos próximos.

Obs.: a presente obra é uma ficção, mera representação imaginativa do autor, não há motivos para se preocupar, não está em risco o conforto do sofá no assistir da novela ou do jogo de futebol.

 

 

BRUNO BOAVENTURA é advogado em Cuiabá

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

13 + 4 =