ASSALTO NO ÔNIBUS: Usuários do transporte coletivo de Cuiabá estão pagando R$ 0,22 a mais na tarifa. É o que aponta um estudo do Ministério Público, coordenado pelo promotor Ezequiel Borges, que avaliou as planilhas de custo. Conforme Ezequiel, a passagem devia custar R$ 2,63 e não R$ 2,85, como é praticado desde janeiro de 2013. Empresas incluíram salário dos cobradores nos custos, mesmo sem ter o profissional nos ônibus

 A má fé dos donos das empresas ficou patenta porque, conforme constatou o estudo do promotor Ezequiel Borges, constava na planilha apresentada pelos empresários o valor gasto com 623 cobradores de ônibus, mas na época do aumento não havia mais nenhum cobrador trabalhando dentro dos ônibus. Para compensar o dano à população, Ezequiel sugere que não haja aumento no transporte coletivo neste final de ano, como sempre ocorre.


A má fé dos donos das empresas ficou patenta porque, conforme constatou o estudo do promotor Ezequiel Borges, constava na planilha apresentada pelos empresários o valor gasto com 623 cobradores de ônibus, mas na época do aumento não havia mais nenhum cobrador trabalhando dentro dos ônibus. Para compensar o dano à população, Ezequiel sugere que não haja aumento no transporte coletivo neste final de ano, como sempre ocorre.

Usuários pagam R$ 0,22 a mais na tarifa

Relatório mostra que custo do transporte é inferior ao apresentado pelas empresas e promotor sugere que este ano não haja aumento

Empresas incluíram o salário dos cobradores nos custos, mesmo sem ter o profissional nos ônibus

YURI RAMIRES
DO DIÁRIO DE CUIABÁ

Os usuários do transporte coletivo de Cuiabá estão pagando R$ 0,22 a mais na tarifa. É o que aponta um estudo realizado pelo Ministério Público do Estado (MPE), que avaliou as planilhas de custo das empresas de ônibus. Conforme o relatório, a passagem devia custar R$ 2,63 e não R$ 2,85, como é praticado desde janeiro de 2013.

Uma estimativa da Associação Mato-grossense de Transportadores Urbanos (MTU) aponta que 330 mil pessoas usam os coletivos por dia. Significa dizer que os usuários pagam no mínimo R$ 72,6 mil a mais por dia pelo serviço.

Pode-se concluir ainda que um trabalhador que gasta duas passagens por dia e usa o transporte cinco dias por semana, excluindo finais de semana e feriados, pagou indevidamente de janeiro até ontem R$ 91,96.

Com o dinheiro, seria possível comprar cerca de 30 caixas de leite ou 23 pacotes de feijão.

De acordo com o promotor de Justiça e membro da Comissão do Transporte, Ezequiel Borges, o preço pago pelos insumos foi adequado a realidade do momento, uma vez que todos os itens que compõe a planilha impactam no valor final.

Além disso, o MP encontrou inúmeras inconformidades no cálculo tarifário de 2012. O resultado das diferenças está refletido no valor real da tarifa que deveria estar sendo aplicada neste momento.

Foi detectada divergências nos índices relacionados aos seguintes itens da planilha: combustível-rodagem, veículo/frota operante, benefícios salariais, passageiros transportados e IPKe, custo da capital (depreciação/remuneração), tributos e taxas de outorga.

Constava na planilha apresentada pelos empresários o valor gasto com 623 cobradores de ônibus, mas na época do aumento não havia mais nenhum cobrador trabalhando dentro dos ônibus.

O relatório do MP foi apresentado para o prefeito Mauro Mendes e conforme a assessoria da prefeitura, será encaminhado para as empresas de ônibus, que terão cinco dias para analisar e justificar as irregularidades encontradas.

Para solucionar o dano à população, o MP sugeriu que não haja aumento no transporte coletivo neste final de ano, como sempre ocorre. O último aumento da tarifa do transporte público de Cuiabá aconteceu em dezembro de 2012.

O reajuste é estabelecido após o Conselho Municipal de Transportes analisar as planilhas entregues pelas empresas de ônibus. Depois do estudo, o grupo estipula um valor, que pode ser homologado ou não pelo prefeito.

A MTU informou, por meio de nota oficial, que não foi notificada e que vai se pronunciar após analisar o relatório.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 200.103.88.151 - Responder

    E então, nos perguntamos, enfim, mediante a todos esse assunto abordado em relação ao preço da passagem .. SE, o preço que pagamos vai além do que deveria, pra onde então vai esses 0,22 (Meros neh) centavos que, como trabalhadores, estudantes que utilizam do transporte diariamente, estamos pagando e se somarmos dá uma quantia considerável de abusos da parte, não sei nem de onde, das ”grandes autoridades” … Pra onde???! Eis a questão que não quer calar … É abusivo! Fico indignada pelo preço em relação as condições oferecidas pelos transportes .. Uma vergonha!
    No meu caso, que utilizo dois a 4 ônibus para transportar ao trabalho e a faculdade.. e esse dinheiro todo, o que é feito dele para melhoria das condições dos coletivos??!
    ABUSO! VERGONHA!
    E assim, caminha nossa cidade, Estado e País, em geral!

Deixe uma resposta para Nany    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 × 2 =