ARROCHO SALARIAL, NÃO! Sindicalistas do Fórum Sindical de Mato Grosso venceram na negociação com o governo de Zé Pedro Taques. Resquício do RGA 2015, 13º no aniversário do servidor e pagamento no dia 30 foram confirmados, do jeito que o Fórum queria. Na prometida reunião da transparência, todavia, governo deu vexame. Brustolin bancou o blefe e não apresentou número nenhum, sem receber cobrança dura dos sindicalistas. Zé Pedro também barrou jornalistas no papo do arrocho. No final, ficou receio de que governador tucano deixe de pagar reajuste inflacionário de 2016. Desafio é fortalecer a mobilização dos servidores

Fórum Sindical no Paiaguás, em 19 de janeiro

Fórum Sindical no Paiaguás, em 19 de janeiro

Para os sindicalistas do Fórum Sindical, está terça-feira não foi das melhores, mas eles saíram vencedores na negociação com o governo de Zé Pedro Taques.

O que Marrafon, Paulo Taques e Modesto diziam, em dezembro, que o Zé Pedro Taques poderia não ter condição de pagar, o governador assumiu, nesta terça, que vai pagar: Resquício do RGA até 10 de fevereiro, 13º no aniversário do servidor e pagamento no dia 30 foram confirmados. Tudo do jeito que o Fórum queria.

Os sindicalistas ganharam um fôlego. Viciados em um certo cupulismo, mal confirmaram o recuo do Zé Pedro no seu impeto para o arrocho, os sindicalistas desligaram o alerta vermelho, ligaram o amarelo e suspenderam a  assembleia geral ou grande manifestação que estavam programando para o dia 25. Serão mantidas as assembleias localizadas naquelas categorias que já convocaram suas bases como o Sinpaig e o Sisma, ainda nesta semana.

Enquanto o Fórum Sindical avança na sua organização, o Governo do Estado fazia vexame.

Sim, o Fórum avançou, agregando sindicatos antes desgarrados como o Sintep, o SittContas e até mesmo o Sindes, do sindicalista Adolfo Grassi, que vinha preferindo sempre agradar ao governante de plantão, enquanto espalhava críticas contra seus colegas do Fórum Sindical. Parece que, de repente, tá todo mundo percebendo que o Fórum Sindical dessa vez pode engrenar para valer.

O vexame do governo de Pedro Taques ficou por conta da prometida transparência.

Brustolin, o todo poderoso da Sefaz, o Éder Moraes da hora, não apresentou número nenhum e o governo tão transparente de Zé Pedro Taques voltou a impediu jornalistas de acompanhar o encontro de sindicalistas com governador tucano.

Sim, a tão anunciada e tão adiada apresentação dos dados referentes à Situação Econômica e Financeira do Estado que seria feita pelo secretário de Fazenda, Paulo Brustolin não foi feita, foi mais uma  vez adiada, limitando-se a uma sucinta explanação do secretário de Gestão, Júlio Modesto que trouxe dados técnicos e históricos das despesas de pessoal. Dados sobre quanto está entrando e quanto e como Zé Pedro está gastando, não apareceram. Vai ser preciso um Fórum Sindical mais atento para arrancar deste governador enrolador estes números.

O Governo do Estado fez, sim, questão de negociar com os sindicalistas longe dos olhos da imprensa. Aquela eterna insegurança dos governantes nada modestos, que pensam que tem o rei na barriga e acreditam que são o dono da verdade e que basta manipular a mídia para que a realidade ganhe as cores que lhe agradam. Receitas como essa costumam acabar em desastres administrativos, a gente sabe.

Mas o secretário Jean Campos, não se sabe pra quê, mandou gravar em video, mais uma vez, toda reunião. O que será que o Gabinete de Comunicação faz com esses vídeos que nunca são disponibilizados para o grande público? Será que os sindicatos e associações vão receber uma cópia?

Coube ao coronel Wanderson Nunes, da Associação dos Oficiais da PM, dar uma sapatada ideologica em Zé Pedro Taques, indagando porque o governador privilegiou o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) do Ministério Público sancionada nos últimos dias, em detrimento do RGA das diversas categorias dos servidores. Ze Pedro tangenciou, esqueceu de falar das vezes em que segurou o repasse para os seus caititus da Assembleia, e falou sobre a pretensa autonomia dos poderes, que ele nunca respeitou, fosse antes como senador, fosse agora como governador. Ele agora deu uma de bonzinho, destacando a autonomia financeira do MP e dizendo que o Governo, neste caso, não teria legitimidade para promover o veto da mesma. Ora, ora, Legislativo e Judiciário que gravem bem esse discurso do homem para futuras cobranças, que eles certamente se farão necessárias.

No final, entre os sindicalistas do Fórum, que vibraram muito com o fato de terem conseguido obrigar o governador a recuar na sua tentativa de arrocho, ficou o receio de que Zé Pedro, fera ferida, ainda possa querer deixar de pagar reajuste inflacionário de 2016 para as categorias, apesar de todo este seu discurso sobre o cumprimento das leis, das normas constitucionais, e tal e tal.

Como o Fórum Sindical não é o MP, os sindicalistas em matéria de RGA já encostaram o cu na parede e estão se preparando para as tramas de Zé Pedro Taques, visando atochar-lhes o não pagamento das perdas inflacionárias em 2016, se eles vacilarem nessas negociações.

Estreando as reuniões do Fórum, o presidente do Sintep, professor Henrique, alertou bastante seus colegas sindicalistas para esta realidade.

Desafio, portanto, para o Fórum, daqui para a frente,  será fortalecer a mobilização dos servidores e fortalecer o próprio Fórum para as disputas que certamente virão. “A gente sabe que a cartilha do PSDB é assim. Tem sempre arrocho pra cima do trabalhador. Com o Dante de Oliveira não foi diferente”. Foi o que disseram mais de dois sindicalistas que ouvi nesta terça-feira.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × dois =