Armandinho, filho da Mafalda e do Calvin, é novo sucesso no quadrinho nacional

Por Enock Cavalcanti em Quebra Torto - 7/04/2013 18:54

Contestador, ‘Armandinho’ ganha fama no  Facebook

  • Conhecida em Santa Catarina, tirinha se expande pela rede social
  • Visão crítica e bom humor do personagem lembram Mafalda e Calvin
  • Autor deve lançar livro até o fim do ano

Evelyn Soares  O GLOBO

<br /><br />
Travesso e contestador, Armandinho faz sucesso com suas histórias e lições<br /><br />
Foto: Reprodução

Travesso e contestador, Armandinho faz sucesso com suas histórias e lições  Reprodução
RIO – Armandinhoé uma criança (dos quadrinhos) como todas as  outras. Travesso como Calvin e questionador como Mafalda, suas histórias  divertem os usuários do Facebook desde 29 de novembro do ano passado. O criador  do personagem, cuja página tem mais de 40 mil curtidas, é o agrônomo e  publicitário Alexandre Beck, de 40 anos. 

 

Pai de um rapaz de 17 anos e uma menina de 10, ele buscou nos filhos e em  amigos deles a inspiração para o personagem da tirinha, que existe há três  anos.

- Apesar de gostar do humor da Mafalda e do Calvin, me inspirei nos meus  filhos. Criei o Armandinho porque estava enjoando dos personagens de outras  histórias que fazia. Na época, minha filha era pequena. Como toda criança, tem  tiradas que nos fazem pensar em muita coisa – explica Beck por telefone.

Essas tiradas infantis, ingênuas porém críticas, motivaram Beck a fazer da  tirinha uma pausa para “fazerem os leitores repensarem tudo que está em volta”.  Outras referências são ilustradores brasileiros como Angeli, Laerte, Galvão e  Samuel Casal, que, segundo Beck, carregam em suas charges e tiras um “humor com  pesar”. O tom certo para a tirinha veio de Mafalda e Calvin.

- Esses personagens mostram que podemos melhorar e que existem outros  caminhos, que tem uma luz no fim do túnel. O Armandinho tem um pouco da minha  visão crítica. Tento me colocar no lugar da criança para chegar a situações que  os adultos acham absolutamente normais. E acredito que o jeito ingênuo e puro do  personagem, combinado à sua crítica, tem sido aceito pelo pessoal – diz o  desenhista.

Nascido por acaso

“Armandinho” nasceu da pressa do jornal “Diário Catarinense”, em 2010, quando  precisava de três histórias de quadrinhos para o dia seguinte. O personagem, que  tem traços simples e, à época, não tinha nome, já estava desenhado. Bastou  desenvolver a história para publicar no dia seguinte.

Os pais do personagem e outros adultos não apareceram, inicialmente, pela  falta de tempo. Mas esse acaso ganhou sentido na HQ:

- Fiz só as pernas do pai porque não dava tempo para desenvolver o desenho na  primeira tirinha. Ninguém sabe a cara dele, se é careca, gordo, qual a cor de  sua pele… E quero que ninguém saiba, porque ele não é o mais importante. Fiz  sem querer, e achei que deveria ficar.

Os outros personagens que aparecem no quadrinho são Fê, a irmã de Armandinho,  e o sapo.

Em pouco tempo, a tirinha tornou-se querida em Santa Catarina. Tanto que o  nome foi sugerido em um concurso promovido pelo jornal que o veicula: leitores  deveriam enviar a sugestão de nome e um motivo. Logo, “Armandinho nasceu por  estar sempre armando algo”.

Sucesso inesperado

A página do Facebook nasceu em novembro do ano passado, e era curtida por  amigos de Beck. Mas, sem querer, uma tragédia nacional trouxe fama para ela.  Alexandre Beck e sua família se mudaram de Florianópolis para Santa Maria, no  Rio Grande do Sul, no fim do ano passado. Como todos os outros moradores da  cidade, sentiram o luto pelo incêndio da boate Kiss, em 27 de janeiro, onde 241  jovens morreram.

- Parecíamos doentes naquele fim de semana. Criei uma só tirinha aquele dia,  falando sobre o tempo na cidade, e ela teve mais de 10 mil compartilhamentos e  aumentou o número de curtidas na página.

Outra tirinha muito compartilhada, e que elevou o sucesso da página e a levou  além do limites de Santa Catarina, foi a da prova em que o Armandinho deveria  responder o que era “essencial à vida de todos os seres vivos” e começava com a  letra A. Para o pai do personagem, era “água”, mas para Armandinho, “amor”.

Beck anda sem tempo para fazer os quadrinhos, e alimenta o Facebook com  histórias antigas. Entre os comentários estão elogios e alguns pedidos, como o  de um livro. O autor já conversava com um amigo sobre o assunto antes da página  bombar.

- Esse papo foi há duas semanas, quando pensávamos numa tiragem de 500  exemplares. Que bom poder pensar grande hoje! As tirinhas estão prontas, mas  ainda estou diagramando o livro. Quero lançá-lo ainda este ano, mas ainda não  sei em qual editora. O intuito é que o livro possa ser olhado com calma e  tranquilidade, e que pais possam ler com os filhos. E, principalmente, que os  filhos possam ler com os pais.

 

2 comentários



Deixar um commentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>