Antes de processar filho de Riva e conselheiro Alencar Soares, promotor Roberto Turin ouviu três servidores do gabinete de Alencar que atestaram: “Nunca vimos esta pessoa no gabinete”. Conclusão óbvia: filho de Riva era fantasma e, segundo Turin, “cofres públicos desembolsaram R$ 86.068,10 com a contratação de JOSÉ GERALDO RIVA JUNIOR sem receber de volta sequer um minuto de serviços prestados”. Leia inteiro teor da ACP.

Promotor Roberto Turin processa José Geraldo Riva Jr e Alencar Soares by Enock Cavalcanti

A primeira ação contra o filho do deputado José Geraldo Riva, que ganhava como “fantasma” no Tribunal de Contas de Mato Grosso, foi intentada pelo Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, através dos então militantes Antonio Cavalcante, o Ceará, Gilmar Brunetto e do advogado Vilson Nery, no longínquo ano de 2008. Eles ingressaram com Ação Popular contra o então presidente do TCE, conselheiro José Carlos Novelli e ação popular acabou sendo julgada pelo juiz Roberto Seror, em um dos períodos de licença do titular da vara, o juiz Luiz Bertolucci. Em sua sentença, Seror avaliou que os impetrantes processaram a pessoa errada, argumentando que Novelli não tinha nada a ver com o caso, que quem deveria ser questionado de fato era o conselheiro que acolhera o filho-fantasma de Riva, Alencar Soares. Em sua decisão, Seror determinou que o caso fosse encaminhado para análise do Ministério Público Estadual, onde acabou sendo distribuido para o promotor Roberto Turin.

Antes de processar o filho de Riva e Alencar Soares, Turin fez a oitiva de três servidores lotados no gabinete do conselheiro.Foram ouvidas as pessoas de Carla Godoy da Costa Moreira, Luiz Carlos de Azevedo e Isaelma Marques do Amaral. Veja trechos das anotações de Turin sobre as declarações dos três pretensos colegas de gabinete de José Geraldo Riva Junior:

“Afirma ainda que não sabe quem é JOSÉ GERALDO RIVA JÚNIOR, e não mantém contato com o mesmo e afirma também que não manteve contato com a referida pessoa no TCE/MT no período de julho de 2006 a setembro de 2007” (Carla Godoy da Costa Moreira, fls. 107).

“Afirma ainda que sabem quem é JOSÉ GERALDO RIVA JÚNIOR, mas não mantém contato com o mesmo e afirma também que não manteve contato com a referida pessoa no TCE/MT no período de julho de 2006 a setembro de 2007” (Luiz Carlos de Azevedo, fls. 111).

Afirma que sabe que JOSÉ GERALDO RIVA JUNIOR é filho do Deputado José Geraldo Riva, mas não o conhece pessoalmente, afirma que nunca viu esta pessoa no Gabinete do Conselheiro Alencar Soares” (Isaelma Marques do Amaral, fls. 114).

Conclusão óbvia: estava confirmada a denúncia do Ceará, do Gilmar Brunetto e do Vilson Nery, o filho do deputado José Geraldo Riva era mesmo um fantasma e o promotor Roberto Turin, então, escreve:

“Realmente, todas as informações, dados e documentos colhidos durante a investigação atestam que JOSÉ GERALDO RIVA JUNIOR foi servidor “FANTASMA” do Tribunal de Contas de Mato Grosso, no período de 12/07/2006 a 01/09/2007. Compareceu à repartição pública tão somente para assinar termo de posse no cargo, deixando de cumprir suas obrigações para com o serviço público, que o remunerou durante todo o tempo de seu vínculo funcional. Aliás, importante que se mencione que os cofres públicos desembolsaram R$ 86.068,10 (oitenta e seis mil sessenta e oito reais e dez centavos) com a contratação de JOSÉ GERALDO RIVA JUNIOR sem receber de volta sequer um minuto de serviços prestados (vide fls. 47/48), fato que indubitavelmente se configura em ato de improbidade administrativa, nos moldes da Lei Federal n.º 8429/92, com significativo dano ao erário.”

No destaque, você pode ler o inteiro teor da ação civil pública impetrada pelo promotor Roberto Turin contra José Geraldo Riva Jr e contra o conselheiro Alencar Soares

7 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.97.166.182 - Responder

    Mas que surpresa,o rivinha,puxou o pai.Ora sabemos que os frutos nao caem longe das arvores.A filha e a mae Janete sao funcionarias estaveis,concursadas e fantasmas da nossa gloriosa AL,ha muitos anos ,podem investigar!

  2. - IP 177.65.159.57 - Responder

    Parabéns Dr. Roberto Turin pelo empenho

  3. - IP 177.41.94.67 - Responder

    Uma VERGONHA o Ministério Público demorar quase 04 (quatro) anos para apurar fato tão singelo, o que ocasionou – como reconhece o próprio Promotor na petição inicial – a prescrição do ato de improbidade em relação ao Sr. Riva Júnior. Ao contrário da parabenização feita pelo colega Herman, o membro do “Parquet”, neste caso, com todo o respeito, merece é uma REPREENSÃO pelo Corregedor Mauro Viveiros.

  4. - IP 177.186.95.154 - Responder

    Parabens, Dr Roberto Turim manda devover nosso dinheiro.

    • - IP 179.217.107.142 - Responder

      hummmmmmm vdd amigo quero o meu dinheiro devolta kkkkkkkkkkkkk

  5. - IP 179.100.83.191 - Responder

    Pra tanta DEMORA do Ministério Publico no desenrolar dessa ação, só ha uma explicação: o promotor Roberto Turim, também, não sabia que o rapaz é filho do Riva, né?!?!?! ORiva Jr. pelo que aparece em noticias na midia cordeirinha de MT, fez o curso de Medicina, não? E esse curso, que eu saiba, é tempo integral, certo? Ento, qual era o horario que o dignissimo atuava no gabinete do Alencar Soares? De madrugada? Ganhava adicional noturno??? Oras, parem de me fazer de palhaça, por favor!!!

    • - IP 179.217.118.34 - Responder

      Hummmmmmmm cuabana indignada eu trabalho a noite e não recebo adicional noturno, realmente acho que ele trabalhava a noite né.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

15 − 5 =