PREFEITURA SANEAMENTO

ANÁLISE: A Veja escreve, em sua reportagem, que o delator não pode mentir, senão perde o direito à delação premiada. E quem publica a mentira do delator, perde o que?

Muda Mais analisa criticamente a resposta de Veja à candidata Dilma

Captura de Tela 2014-10-23 às 21.07.16

Veja expõe a precariedade de seu pseudo-jornalismo ao publicar resposta a Dilma

do Muda Mais

Após as declarações da presidenta Dilma Rousseff a respeito da edição mentirosa e caluniosa da revista Veja desta semana, o veículo de comunicação publicou em seu site uma resposta que traz em si mesma as evidências da precariedade do material pseudo-jornalístico estampado com estardalhaço pela revista.

Analisamos abaixo os 6 pontos pelos quais a Veja tenta justificar seu anti-jornalismo de cunho golpista:

1) Antecipar a publicação da revista às vésperas de eleições presidenciais não é exceção. Em quatro das últimas cinco eleições presidenciais, VEJA circulou antecipadamente, no primeiro turno ou no segundo.

Precisamente. E em quatro das cinco últimas eleições, a revista Veja antecipou sua ida às bancas na última semana do pleito justamente na tentativa de influenciar o resultado das eleições e pautar o debate público, já que os candidatos do PT assumiam a dianteira nas pesquisas eleitorais. Mostramos aqui como a publicação age sempre da mesma forma em períodos pré-eleitorais, criando um cenário de terror, por meio de mentiras e acusações infundadas, sem nenhum compromisso com o jornalismo honesto e com a informação de qualidade, para confundir o eleitor. A Veja começa fazendo o serviço sujo para que outros veículos da mídia, que seguem a mesma linha, repercutam as mentiras com grande alarde e pautem a opinião pública durante os dias que antecedem a ida dos brasileiros às urnas.

2) Os fatos narrados na reportagem de capa desta semana ocorreram na terça-feira. Nossa apuração sobre eles começou na própria terça-feira, mas só atingiu o grau de certeza e a clareza necessária para publicação na tarde de quinta-feira passada.

Procuramos entre as palavras e frases de toda a reportagem e não encontramos o grau de certeza e clareza necessário para a publicação de fatos tão graves. É incrível, mas a própria publicação questiona a veracidade da acusação feita pelo doleiro Alberto Yousseff de que Dilma e Lula sabiam do esquema de desvio de recursos da Petrobrás: “O doleiro (Youssef) não apresentou – e nem lhe foram pedidas – provas do que disse”. Sendo assim, que certeza é essa que a revista afirma apresentar? Por toda a reportagem, a Veja tenta defender o depoimento em delação premiada dizendo que é do interesse do investigado que ele diga a verdade porque se não o fizer perderá o direito de ter sua pena reduzida.

O direito à delação premiada depende de dois preceitos básicos: o delator não pode mentir nem voltar a praticar a infração pelo qual está sendo investigado. A Veja omite que Yousseff já aderiu ao recurso em processo anterior, em que perdeu o direito à redução da pena por ter voltado a praticar o crime pelo qual estava sendo investigado (link is external). Ora, se ele já infringiu o primeiro preceito, o que garante que não infringiria o segundo?

O claro aqui é que a Veja teve acesso (não explicado, que fique claro, já que o processo corre em segredo de justiça) a um depoimento feito sob delação premiada, que ainda carece, portanto, de todas as provas para fundamentar as acusações que estão sendo feitas, e o publicou, a dois dias das eleições, como se fosse verdade absoluta. Isso é jornalismo?

3) A presidente centrou suas críticas no mensageiro, quando, na verdade, o cerne do problema foi produzido pelos fatos degradantes ocorridos na Petrobras nesse governo e no de seu antecessor.

A revista Veja não é o mensageiro. Ela formula a mensagem, agenda e enquadra a notícia. E, no seu caso, a utiliza como bem lhe convém para alcançar seus objetivos caluniosos e difamadores de desacreditar um governo eleito democraticamente pelos brasileiros. O cerne do problema esta no modo como a Revista Veja pratica o anti-jornalismo. Construindo suas teses oposicionistas na redação refrigerada do jornal e submetendo a realidade dos fatos a suas escolhas e preferências políticas. Isso sim é degradante.

4) Os fatos são teimosos e não escolhem a hora de acontecer. Eles seriam os mesmos se VEJA os tivesse publicado antes ou depois das eleições.

Este argumento é a clara contradição do que foi dito acima pela própria revista. A “certeza e a clareza”, o compromisso com a informação de qualidade, com a verdade e com o leitor, é que devem pautar o tempo da publicação, não as eleições. Nada disso foi buscado pela Veja. Os fatos não mudam, é verdade. Porém, não estamos falando de fatos, mas de denúncias vazias, não comprovadas, que têm claro fim eleitoral. Denúncias vazias, a matéria-prima do jornalismo da Veja, têm a clara intenção de afetar o voto do eleitor brasileiro, por isso são sempre publicadas na véspera das eleições. Esse sim um fato que não muda na história recente da revista.

5) Parece evidente que o corolário de ver nos fatos narrados por VEJA um efeito eleitoral por terem vindo a público antes das eleições é reconhecer que temeridade mesmo seria tê-los escondido até o fechamento das urnas.

Finalmente, no quinto ponto, a revista reconhece seus objetivos “eleitoralmente prejudiciais”. Aqui fica claro, para os bons entendedores, a quem servem a revista Veja e suas manipulações de dados e informações, que têm como único objetivo influenciar no resultado das eleições, quando o candidato que melhor representa os interesses da revista aparece em desvantagem nas pesquisas.

6) VEJA reconhece que a presidente Dilma é, como ela disse, “uma defensora intransigente da liberdade de imprensa” e espera que essa sua qualidade de estadista não seja abalada quando aquela liberdade permite a revelação de fatos que lhe possam ser pessoal ou eleitoralmente prejudiciais.

De fato, a presidenta Dilma, com apenas 20 anos, foi presa e barbaramente torturada para que essa mesma imprensa que hoje usa de sua liberdade de expressão conquistada a duras penas possa se expressar livremente. Mas deixemos claro que liberdade de imprensa nada tem a ver com manipulação de dados, do leitor, das pesquisas, do debate público e do pleito eleitoral. Dilma mantém e manterá suas qualidades de defensora intransigente dessa liberdade, pois esta está pautada e protegida pelo paradigma legal do país. Estejam certos os autores da infâmia publicada pela Revista, a presidenta buscará seus direitos de reparação dentro dos marcos legais vigentes no país. Ela mesma deu o recado: “Os brasileiros darão sua resposta à Veja e seus cúmplices nas urnas. E eu darei minha resposta na Justiça”.

A Veja escreve, em sua reportagem, que o delator não pode mentir, senão perde o direito à delação premiada. E quem publica a mentira do delator, perde o que?

Categorias:Plantão

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quinze − 2 =