gonçalves cordeiro

Agressividade contra repórteres tira prazer do ofício, diz Tonico Ferreira, ex-Globo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Tonico Ferreira, 71, tinha mais dois anos de contrato na Globo e chegaria perto de completar 40 na emissora, mas decidiu sair em abril.

É verdade que queria mais tempo para a família, para estudar e viajar, como disse em carta à direção de jornalismo.

Mas agora, passada a eleição, admite que outra razão pesou: o clima político e a agressividade contra jornalistas.

Qualquer cobertura com multidão, diz, tornou-se um risco para os repórteres, principalmente os de TV. É algo que “vai tirando o prazer da profissão” ouvir as pessoas xingando a imprensa, a Globo, colocando cartazes na frente de jornalistas ao vivo, como aconteceu com ele quando cobria a prisão do ex-ministro José Dirceu, em 2015.

À reportagem ele relembra os 51 anos de um trabalho em que acompanhou de perto a história do Brasil e participou de coberturas internacionais. Também revela a ideia de criar uma associação de defesa à liberdade de imprensa.

 

RELAÇÃO COM PAI

“Sou de Santos. Meu pai se separou da minha mãe quando eu tinha 6 anos. Teve encontros comigo por dois anos, depois nunca mais o vi. Voltei a vê-lo após 50 anos. Ele estava doente, em Atibaia. Conversamos por duas horas. Vim a São Paulo pensando em como ajudá-lo. Quando cheguei, recebi um telefonema dizendo que tinha morrido. Morreu 45 minutos depois que saí. Era fotógrafo aéreo.”

 

JOSÉ DIRCEU

“Entrei na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da USP, em 1966. Todo mundo era comunista. Quem não era fingia ser [risos]. Fui fazer jornais de esquerda como diagramador. O primeiro foi o Amanhã, do grêmio da Faculdade de Filosofia. Quando o jornal acabou, eu tinha direito a três salários, mas ganhei um. O grêmio não tinha dinheiro. O Zé Dirceu fez pedágio na rua, voltou com um saco de dinheiro e nos pagou.”

 

CENSURA

“A primeira vez que vi censor foi em 13 de dezembro de 1968, dia do AI-5. Chegaram dois na Folha da Tarde [onde Ferreira trabalhava]. Depois passaram a mandar instruções por telex. Quem desobedeceu foi submetido a censura prévia.

Saí da Folha da Tarde, passei pela revista Realidade, até criar um jornal para tentar ter liberdade, o Opinião, em 1972, no Rio. Desde 1967, quando parte da esquerda foi para a luta armada, estava fácil para o regime enfrentar esses grupos. Foi só sair matando, torturando, prendendo. Fizemos o jornal com empresa formal, endereço, tudo aberto, para enfrentar a ditadura no campo que é pior para ela, o democrático.

Logo tivemos censura prévia. Eu entregava o material e voltava com rabiscos em palavras, trechos, artigos. Uma vez um major disse: “Ih, cortaram muito, não vai sair jornal. Peguem em armas e vamos atrás de vocês”. Respondi: “Não, vou para a Redação e trago mais material hoje ainda”.”

 

SEM CIGARRO

“Em 1975 entrei no projeto de um jornal de oposição, o Movimento, que fizemos por cinco anos. A esquerda foi se dividindo, vários jornais surgiram e todos morreram. Eu tinha dois processos pela Lei de Segurança Nacional, só não fui condenado porque veio a anistia. A esquerda é muito sectária e me enchi daquilo, das dificuldades. Deixei de fumar porque não tinha dinheiro para comprar cigarro, olha que bom! Recebi um convite para ir para a Band e logo depois para a Globo, em 1981.”

 

DIRETAS JÁ

“Na Globo, havia uma luta diária contra a censura. As TVs são concessões do governo, é fácil pressioná-las. Cobram a Globo por não ter apoiado de início as Diretas Já, mas a pressão era enorme. Eu cobri o primeiro ato em São Paulo, no Pacaembu. Depois veio a proibição na empresa.

Isso não impediu o movimento de crescer, também em cima da Folha [que apoiou as Diretas]. As pessoas acham que a Globo é capaz de fazer presidente, derrubar, mudar a política. Se fosse assim, as Diretas não teriam ido para a frente. Claro que quando entra, alavanca, mas não tem toda essa força que pensam.

Quando a gente conseguiu colocar algo das Diretas no ar, mesmo sendo aquela matéria torta, falando mais sobre o aniversário de São Paulo, comemorado naquele dia do comício, vibramos. Como o movimento cresceu, dali para a frente foi liberado.”

 

AGRESSIVIDADE

“Nos últimos tempos, toda manifestação é um problema de segurança para os jornalistas, principalmente de TV, conhecidos. Pode ser do Bolsonaro, do PT, é pressão enorme para as equipes na rua. Quando junta gente, se você cai, fica difícil, todo mundo dá um pontapé anônimo.

Fui muito importunado quando cobri a prisão do Zé Dirceu. Havia um pessoal do PT, que até me conhecia. Eu disse: “Gente, por favor, deixa só a gente entrar ao vivo”.

Quando entrei no Jornal Nacional, colocaram cartazes, eu tentava falar e não paravam de gritar. Sempre nos abordam dizendo “a Globo mente, fora Rede Globo” etc. Temos que tentar negociar, não podemos sair correndo que é pior.

O ambiente não é bom e sofremos com isso. É chato trabalhar assim, todo mundo bate em você. A sociedade está dividida, raivosa, e os jornalistas são intimidados. Isso começa a tirar o prazer da profissão. Passamos a mandar produtores e não repórteres conhecidos para alguns eventos, filmar com celular e não com grandes equipamentos.

Quando houve o caso da Patrícia [Campos Mello, repórter especial da Folha de S.Paulo, ameaçada nas redes sociais após revelar que empresários impulsionaram disparos por WhatsApp contra o PT], fiquei pensando sobre o quanto estamos fracos na nossa defesa.

Temos um sindicato capaz de dizer que [determinados ataques] estão certos. Quem nos defende são as empresas. Estou pensando em fazer alguma coisa, uma associação. Estamos vulneráveis e precisamos de algo forte, suprapartidário, defendendo a liberdade de imprensa.”

 

ESQUERDA E DIREITA

“Esperam que a Globo, a Folha de S.Paulo, sejam de direita ou esquerda, e não serão. São mais de centro, com seus princípios. Por que não fazem seu próprio jornal ou TV?

Quando eu fazia imprensa alternativa, achava que um daqueles jornais se tornaria forte com a redemocratização, como aconteceu com o Le Monde, na França, com o El País, na Espanha.

Mas não sobreviveu nenhum e não surgiu nada no governo do PT, quando havia condições. Quem é o jornal de esquerda no Brasil? As sucursais do El País, do Guardian [inglês]. É lamentável que tenhamos que ter uma imprensa estrangeira para representar a opinião de parte da população. Também seria bom haver um de direita.

No debate é que vamos nos acertar. A direita estava dentro do armário, e a imprensa errou em não perceber isso, que havia um Brasil indignado, uma classe saiu da pobreza, chegou em cima e não achou nada, só violência, políticos roubando. Isso passou batido, a imprensa tem que pensar se não está distante da população.”

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

7 − dois =

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.