AGENDA CULTURAL: O som e a fúria do “Preto, gordo e cafajeste”, Tim Maia, como se definia o saudoso gênio do soul, serão interpretados pelo cantor e compositor Henrique Maluf em um especial de três horas, com 26 músicas no repertório. O show de Henrique Maluf, com clássicos que variam do mais dançante ao romântico, volta ao cartaz nesta quinta-feira (16), a partir das 22h, no Malcon Pub, em Cuiabá

HENRIQUE MALUF2Henrique Maluf, mas pode me chamar de Tim Maia

No Malcon Pub nova apresentação do show que homenageia um dos mais aclamados e polêmicos nomes da moderna Música Popular Brasileira

BEATRIZ SATURNINO
Diário de Cuiabá – DC Ilustrado

O som e a fúria do “Preto, gordo e cafajeste”, Tim Maia, como se definia o saudoso gênio do soul, serão interpretados pelo cantor e compositor Henrique Maluf em um especial de três horas, com 26 músicas no repertório. Considerado o pai da black music, Tim é fruto de um projeto com exímia pesquisa em sua obra, que polemizou a música brasileira e marcou toda uma geração desde a década de 70.

O show de Henrique Maluf, com clássicos que variam do mais dançante ao romântico, volta ao cartaz nesta quinta-feira (16), a partir das 22h, no Malcon Pub, em Cuiabá.

No espetáculo, a aplaudido encontro de Henrique Maluf com um dos maiores ícones da música no Brasil, cuja músicas eram marcadas pela rouquidão de sua voz, sempre grave e carregada.

O especial Tim Maia, por Henrique Maluf, vem sendo apresentado há cerca de seis meses, nas melhores casas de show de Cuiabá, além de já ter percorrido algumas cidades do Estado. Maluf é quem comanda a voz e as guitarras, acompanhado pela banda formada por Welington Berê, no contrabaixo, Rominho Moreira, na bateria, Marcos Levi, no Trompete, Fagner Cerqueira, no saxofone, e Nemuew Wylk, no trombone.

Este projeto é fruto de uma pesquisa, preparado com o naipe de metais completo, trompete, sax e trombone, pra fazer a geral dançar. Batera e baixo dão o tempero para Henrique Maluf cantar e tocar suas guitarras.

“Tim Maia é um grande gênio da musica, dono de uma voz inconfundível, e que muito me inspira. Os meus tributos estão cada vez melhores, e espero por todos. Fizemos com muito carinho e cuidado, o que significou nos últimos shows casa lotada. Muitas pessoas ficaram de fora, depois de enfrentar grandes filas”, comemora o músico.

No repertório desta noite, a seleção vai desde as mais dançantes como “O Descobridor dos Sete Mares”, “Não Quero Dinheiro”, “Vale Tudo”, “Do Leme ao Pontal”, passa pelas românticas como “Dia de Domingo”, “Primavera”, “Azul da Cor do Mar”, “Você” e pela fase racional “Bom Senso”, “Que Beleza”, “O Caminho do Bem”, dentre várias mais. O show apresenta nada menos que três horas de Tim Maia, com um desfile de 26 músicas que marcaram o repertório do “síndico”.

Um artista que vem de Cáceres

Devido à forte influência causada pela sua turnê pela Europa, o músico cacerense entra numa sequência de shows pela baixada cuiabana, se apresentando nas melhores e conceituadas casas de shows.

Assim seu trabalho alcança o interior do Estado, sendo bem recebido em cidades como Chapadas dos Guimarães, Rondonópolis, Poconé, Jucimeira, Jaciara, com destaque para Cáceres, cidade natal, que reconhece o trabalho do artista;

Com carreira cada vez mais consolidade, Maluf já apresentou o “Tributo a Vinícius de Moraes” no Teatro Carlos Galvão na Escola de Musica de Brasília, durante o 31° Curso Internacional de Verão de música.

Também abriu três grandes shows, de Fagner e Zeca Baleiro, no Festival Internacional de Pesca Esportiva de Cáceres.

Sua pegada musical e carreira é extensa, com pesquisa em Samba e Bossa Nova, e também faz parte do Coral da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), onde busca aprimoramento da técnica vocal, e versatilidade.

Tim Maia, o Sputnik

Já Sebastião Rodrigues Maia, ou melhor, Tim Maia, nasceu no bairro da Tijuca, na zona norte do Rio de Janeiro, em 28 de setembro de 1942 e morreu em 1998.

Viveu nos Estados Unidos de 1959 a 1963. Lá ele montou uma pequena banda e gravou um disco compacto.

Tim teve várias fases desde a sua infância, onde já teve contato com pessoas que viriam a ser grandes cantores, como Jorge Ben Jor e Erasmo Carlos. Também a criação do grupo vocal The Sputniks, do qual participou Roberto Carlos, que depois reapareceria várias vezes em sua vida.

Sem condições de realizar uma apresentação no Teatro Municipal de Niterói, saiu em uma ambulância e, após duas paradas cardiorrespiratórias, Tim Maia faleceu em 15 de março de 98.

Os ingressos estão a venda por R$ 15. Mais informações pelo telefone (65) 9603-4985.

—-

HENRIQUE MALUF

Pequeno Perfil Cultural de Henrique Maluf
Da Reportagem
Livro de cabeceira: “Teias Sulamericanas”, de uma professora da Universidade de São Paulo, que fala sobre cultura latina

Referência musical: Música brasileira

Um filme: “Perfume – A história de um assassino”

Lugar de Cuiabá: Palácio da Instrução

O que precisa melhorar em Cuiabá: Apoio aos músicos locais

O que tem de melhor em Cuiabá: O calor humano

Uma definição de cultura: Viver. Para se fazer Cultura, basta estar vivo.

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.30.131.195 - Responder

    muinto boa matéria

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × quatro =