ADVOGADO VILSON NERY:  Ao suspender as negociações para o fechamento da delação da OAS em razão do vazamento ocorrido, na linguagem jurídica uma “quebra de confidencialidade”, comete-se uma imoralidade, um tapa na cara da sociedade. E para completar, o Juiz Moro devolve os passaportes do deputado Eduardo Cunha e de sua esposa. É necessário que seja feita uma “delação” sobre o que ocorre nessas delações (e que fica oculto da população)!

Vilson Nery, advogado em Mato Grosso, é membro da RENAP – Rede de Advogados Populares e um dos coordenadores do MCCE - Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral em Mato Grosso

Vilson Nery, advogado em Mato Grosso, é membro da RENAP – Rede de Advogados Populares e um dos coordenadores do MCCE – Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral em Mato Grosso

A delação da delação

Por Vilson Nery

Nessas horas que antecedem a concretização do maior golpe contra a democracia na história de nosso país, a cassação de uma presidente eleita legitimamente pelo povo por meio de eleição limpa, e agora sancionada sem ter cometido nenhum delito, a sociedade vê perplexa a revelação de que ministros da Suprema Corte foram novamente acusados de cometer malfeitos.

E a novidade desta vez é que o Procurador-geral da República manda simplesmente anular toda a delação (colaboração premiada) que havia sido feita, e que envolvia além de integrantes do judiciário uma série de políticos que “pagam de certinho” para a sociedade.

Na última segunda-feira (22/8) o Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, suspendeu os ternos da colaboração premiada apresentada pelo processado Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS (empreiteira acusada de lesar a Petrobras).

O interessante foi o argumento utilizado, de que o vazamento de informações sigilosas anularia todo o procedimento, mas a Operação Lava Jato é a mais “vazada” da história. É certo que até mesmo a gravação de uma conversa entre a Presidenta da República e interlocutores comuns foi divulgada amplamente, e não houve revolta do PGR ou censura aos procuradores que permitiram a tramoia.

E porque não anular todas as demais delações que vazaram?

É uma pergunta que deveria merecer resposta dos agentes da lava a jato, o que atenderia ao desejo dos brasileiros preocupados com os destinos do Brasil. Sempre lembrando que a dita operação simplesmente paralisou o país e gerou milhares de desempregados e há ameaça de falência a empresas diante da cessação/diminuição dos negócios.

As acusações de Delcídio do Amaral, Sérgio Machado e Ricardo Pessoa entre outras contidas em delações premiadas, apenas por exemplo, foram utilizadas pela mídia à vontade antes dos três se livrarem da cadeia e isso causou comoção nacional.

Há alguns dias a sociedade soube por meio de conversa do Senador Romero Jucá e um réu na operação policial (Sérgio Machado), que algumas conversas com membros do STF mostravam que somente com a cassação de Dilma é que a operação lava a jato seria contida (protegendo os bandidos).

Então o golpe é contra a ética.

Ao suspender as negociações para o fechamento da delação da OAS em razão do vazamento ocorrido, na linguagem jurídica uma “quebra de confidencialidade”, comete-se uma imoralidade, um tapa na cara da sociedade.

E para completar, o Juiz Moro devolve os passaportes do deputado Eduardo Cunha e de sua esposa, agora livres para sair do país e curtir o dinheiro desviado da Petrobras (em contas sediadas em paraísos fiscais), outra comprovação de que a dita operação é mais uma tática política golpista, que não busca efetivamente punir a corrupção, mas sim impor um clima de terror ao país.

Infelizmente os vazamentos “permitidos pelo Janot” valeram como estratégia da classe dominante para colocar na cadeia alguns políticos petistas, derrubar a presidente Dilma e interromper um projeto político. Mas quando as denúncias chegam à “casa grande” são sepultadas de imediato, mostrando o desprezo que as elites sentem pela moralidade e pelo povo brasileiro, ou simplesmente dão o tratamento que a “senzala” merece, a juízo daqueles.

É necessário que seja feita uma “delação” sobre o que ocorre nessas delações (e que fica oculto da população)!

Vilson Nery é advogado em Cuiabá

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.58.30.23 - Responder

    Esta advogado,se diz moralista,vejam bem:MORALISTA.Dizer o que mais ?Nada,o m.c.c.e, de combate a corrupção, deve ser fechado e lacrado,pois vampiros tomaram conta do Banco de Sangue

  2. - IP 187.58.30.23 - Responder

    O MCCE,nada diz sôbre o dinheiro roubado da Petrobras e que irrigou a campanha do LULA e da Dilma,faz um silêncio vergonhoso e covarde,o que representa bem o caráter distorcido dos seus membros. Colocam sob suspeição os conteúdos das delaçôes,e até a atuação do Moro,mas não colocam em dúvida a participação dos beneficiários dos esquemas,como os tesoureiros do PT,o chefe e a madame,o Zé,o João Santana e a esposa, todos presos,e de situações confirmadas nos tribunais superiores ,Vcs são uns desviados anti-patriotas,conspiram contra o Brasil e as leis brasileiras.Comunistas de merda!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

três × cinco =