ADVOGADO RENATO NERY: Neste cabaré de cegos, não será melhor permanecer como está, quando o País já caminha para sair do atoleiro?

Atire a primeira pedra…

Renato Nery

No Evangelho, há uma passagem em que Escribas e Fariseus, levaram a presença de Cristo uma mulher acusada de adultério e lhe indagaram: “Mestre essa mulher foi flagrada em adultério e a lei de Moisés diz que ela deve ser apedrejada, tu o que dizes?” (João 8.3-5). Jesus, após insistência, respondeu: “Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra!”.

Querem crucificar o Presidente da República por ter confessado algumas incontinências, através de uma gravação clandestina realizada por um bilionário corrupto e delator induzido a retirar-lhe uma confissão. E por sua colaboração lhe seria dado perdão, de todas suas inúmeras e incontáveis falcatruas, por conta de uma controvertida delação premiada. Tudo o que ele fez ser-lhe-á perdoado. O crime compensa!

E agora querem a todo custo retirar do cargo o Presidente da República. Enfim entronizaram a máxima: os fins justificam os meios. Se o fim é bom não importa os meios. O conteúdo da confissão justifica a forma que ela foi obtida. Um absurdo!

O sigilo das pessoas é inviolável, e não há exceção que justifique quebra-lo de forma tão canhestra ou sob qualquer pretexto. Este procedimento era comum nos regimes Comunistas, Nazistas e Fascistas. O precedente é perigosíssimo, pois legitima a bisbilhotice como prova. Entroniza a fofoca e deixa a vida alheia a mercê de escutas e gravações clandestinas, que não devem ser posteriormente validadas pela Justiça.

Se o Presidente da República teve seu sigilo quebrado desta forma, imagine o que pode acontecer com nós outros. Aqui no Estado de Mato Grosso fizeram coisas parecidas, descobertas recentemente.

Querem com esta suspeitíssima e controversa prova que o Presidente renuncie ou que responda processos que objetivem retirá-lo do cargo.

Neste País colonizado através de Capitanias Hereditárias, onde o público e o privado eram a mesma coisa, é prosaico usar provas controvertidas e postular os rigores da lei ara quem supostamente a infringe.

Quem é santo? O Congresso com a maioria comprometida com desmandos? O Ministério Público e o Poder Judiciário – com as exceções devidas – que têm os salários pagos de acordo com as conveniências, a revelia da Constituição Federal que os limita?

Será que neste período turbulento surgirá algum Santo, descomprometido com todo este corroído sistema para governar o País, com o Congresso que temos, para dar andamento ou fazer as reformas que o País precisa?

Neste cabaré de cegos – onde a controvertida delação ainda será apreciada pelo STF – não será melhor permanecer como está, quando o País já caminha para sair do atoleiro onde foi metido pela corrupção, desmandos e pela incompetência crônica, dando um basta aos casuísmos e oportunistas de plantão, aguardando-se as próximas eleições?

De todos os algozes – que apareça alguém e atire a primeira pedra!

Renato Gomes Nery é advogado em Cuiabá-MT. E-mail – rgnery@terra.co.br

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.17.47.91 - Responder

    Engraçado é que para derrubar a Dilma existiam sim santos. Inclusive o Aécio Neves posava de incorruptível, embora pouca gente acreditasse. Mas eu não li nada desse advogadozinho com algo parecido com o que ele escreve nesse artigo. Antes, contra Dilma e o PT, havia santos, todas as escutas eram legais, mesmo se não fosse, era para um bem maior. Grampearam a própria presidenta falando com o Lula e, tudo bem, contra o PT tudo valia. O sujeito está preocupado com a interceptação da conversa com o presidente, mas o conteúdo da conversa pouco lhe importa. E mais, não sou versado em direito, mas creio que nem sequer configura interceptação irregular. As trocas de ministros, a quantidade deles respondendo a justiça, nada preocupa o nobre advogado. Admira-me muito a página do Enock Cavalcanti reproduzir artigos como desse cidadão. Isso cabe bem ao Olhar Direto, Midia News, etc. Mas até tu Enock?

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

9 − 4 =