ADVOGADO PAULO LEMOS: Para a elite e seus “papagaios”, realmente, Lula é um “criminoso”.

“Realmente Lula é um criminoso”
Por Paulo Lemos
A diferença de tratamento é descomunal, para não dizer grotesca. Lula é condenado sumariamente por alguns meios de comunicação e seus opositores, mesmo que nada se prove contra ele.
Enquanto isso, pode aparecer delação, gravação de áudio, filmagem, cheque assinado, seja lá o que for, de outros figurões da política, nenhum com a estatura internacionalmente reconhecida do ex-sindicalista, que basta eles emitirem um nota negando os fatos, que permanecem sendo considerados inocentes, não só até que se prove o contrário, todavia, praticamente, até a morte.
Olha o caso do Serra, já se sabe que ele recebeu uma vultuosa propina em conta na suíça, e continua como chanceler brasileiro. E o Aécio, campeão de citações na Lava Jato, sem falar nas denúncias envolvendo as obras da Cidade Administrativa em Belo Horizonte/MG e outros esquemas mais, e recentemente foi flagrado em conversa pomposa, afável, descontraída e extremamente reveladora e comprometedora, com seu chapa, amigo e camarada, Sérgio Moro. Com relação ao Temer, só falta ele fazer um pronunciamento em cadeia nacional confessando os crimes cometidos, tamanha são as evidências contra ele.
Porém, para alguns, independentemente de ser inocente ou culpado, os únicos e exclusivos alvos a serem abatidos chamam-se Luís Inácio Lula da Silva (Lula) e o Partido dos Trabalhadores (PT)
Caso o Ministério Público Federal (MPF) canalizasse a mesma energia dispensada contra Lula, porém, para denunciar nomes que têm sido citados reiteradamente na Lava Jato, e caso houvesse um magistrado com disposição de fazer justiça para todos, independentemente da filiação partidária dos investigados, ao revés de mirar apenas numa personalidade política, em Lula, e num partido, no PT, como faz o garoto prodígio, juiz Sérgio Moro, daí sim eu diria que as operações estariam colaborando com a mudança, para melhor, dos usos e costumes comuns à cultura política brasileira.
Todavia, tendo em vista a inequívoca seletividade e grave ausência de imparcialidade das operações (Lava Jato, Zelotes etc.), o que começou como um aparente ciclo virtuoso, logo revelou-se como um dos principais combustíveis da crise que estamos vivendo e da fragilização do Estado Democrático de Direito.
Não defendo que as operações parem, tampouco que aqueles que tenham feito da política via de ganho pessoal não sejam responsabilizados. Entretanto, defendo que haja menos pirotecnia, mais respeito aos direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição Federal e, se for impossível a imparcialidade plena, pelo menos que haja mais objetividade em tratar casos semelhantes da mesma maneira, aplicando o mesmo peso para a mesma medida, e em distinguir factoides de fatos verossímeis, independente da coloração partidária.
Voltando a Lula, depois de constatar que as denúncias que pesam sobre ele são firmes como prego na areia, forçoso se faz concluir que o crime “hediondo” cometido por ele foi o de ter colaborado com que milhões de brasileiros saíssem da zona de miséria absoluta e deixassem de passar fome e morrerem desnutridos por inanição, sendo que, muitos, inclusive, conseguiram adquirir casa própria, meio de locomoção e outros bens de consumo, até então só sonhados, porém não consumados, e até tiveram a alegria de ver seus filhos ingressarem na faculdade e se tornarem “doutores”, nas mais diversas áreas do conhecimento. Por esse prisma, para a “elite e seus papagaios”, realmente “Lula é um “criminoso”.
Paulo Lemos é advogado, educador popular e articulista de opinião