ADVOGADO PAULO LEMOS: Carta ao presidente do PT/MT, Valdir Barranco. Foi escandaloso o que ocorreu em Terra Nova do Norte. LEIA DOCs

Lemos

Carta ao presidente do PT/MT, Valdir Barranco

Por Paulo Lemos

 

Deputado Barranco, seja presidente, não advogado do irmão, usando seu cargo de direção, para salvar a pele dele e induzir a militância e opinião pública a erro. 

Não destrua a imagem do partido dessa maneira, passando a mensagem que o PT de Mato Grosso é conivente com crimes e se esforça para jogar panos quentes sobre a atuação de delinquentes, que atentaram contra a honra e dignidade dos filiados de Terra Nova do Norte/MT, fraudando suas assinaturas no dia da eleição.

O presidente de um partido que recebe por um ou mais dos seus filiados, jamais poderia vir a público e dizer que não é mais o caso de serem avaliados os eventos delituosos, inclusive tipificados no Código Penal, de ocultação de documento privado, no caso a lista de presença dos votantes em eleição interna, até o término do prazo para interposição dos recursos às instâncias partidárias, depois descoberto, quando disponibilizada intempestivamente, que a manobra serviu para impedir o flagrante de outros crimes, antes dos prazos recursais, de falsidade ideológica por atacado, fraudando inúmeras assinaturas da lista de presença, já devidamente comprovado, por diversos meios de prova. 

Ele deveria dizer que o caso seria apurado com todo rigor, pela Comissão de Ética, bem como reconhecer o óbvio, que fatos novos podem ser comunicados no processo a qualquer momento, principalmente na esfera do duplo grau de jurisdição. 

Então, deputado estadual Valdir Barranco, se não for para se posicionar enquanto presidente do PT/MT, com isenção e sem ridicularizar a instituição, ao invés de usar o cargo para atuar como advogado do irmão, Claudemir Barranco, presidente municipal do PT de Terra Nova do Norte, principal suspeito da sucessão delinquente operada, eis que foi o presidente da mesa no dia da votação, fiel depositário da lista fraudada de cabo a rabo, então que reconheça sua suspeição pelo laço de parentesco e deixe que a vice-presidente estadual do partido se pronuncie. 

Não é porque sou filiado no PT que serei conivente com fatos tão graves, que já deveriam ter causado a anulação do PED na cidade, instauração de processo disciplinar para expulsar os criminosos, além de para averiguar se houve formação de quadrilha e representação perante a autoridade policial e ministerial, a fim de avaliarem se não é caso de cadeia, inclusive de prisão preventiva, eventualmente pela hipótese de intimidação das vítimas que tiveram suas assinaturas grosseiramente fraudadas. 

É um descalabro e foi escandaloso o que ocorreu em Terra Nova do Norte. 

Não houve pudor, somente absoluta inconsequência e convicção da impunidade, talvez pelo suspeito número 1 ser irmão do presidente estadual, os irmãos Barrancos, quiçá orientado por ele desde o início.

Paulo Lemos é advogado filiado no Partido dos Trabalhadores – PT.

————

ENTENDA O CASO:

Executiva Nacional do PT vai julgar fraudes em eleições internas em MT

Executiva Nacional do partido vai julgar nos próximos dias pedido de anulação de eleições internas realizadas em Mato Grosso

A Executiva Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT) pode decidir nos próximos dias se anula ou não as eleições internas, realizadas no dia 8 de setembro em Mato Grosso. Isso porque há denúncias de que o processo tenha sido fraudado na cidade de Terra Nova do Norte (643 km de Cuiabá).

Bruno Kelly / Reuters

O caso, que começou com uma denúncia de centralização e pequenas irregularidades, já virou caso de polícia, com Boletim de Ocorrências registrado por um servidor do Poder Judiciário que teve o nome incluído na lista de votantes sem ser filiado ao partido. A denúncia atinge Claudemir Barranco, presidente do partido na cidade.

A primeira denúncia é assinada pelo advogado Paulo Lemos, que atuou como fiscal de uma das chapas. Ele afirma que Claudemir e sua esposa atuaram como mesários do processo. O estranho, segundo ele, é que Barranco disputou a reeleição e sua esposa não é filiada ao partido.

O advogado também afirma que, no horário de almoço, descobriu que estava acontecendo eleição para o diretório estadual em sua cidade, Matupá (681 km de Cuiabá). A cidade, porém, não deveria ter eleições estaduais. Lá, após as urnas apuradas, constatou-se que 100% dos votos foram destinados a uma única chapa, o que, para o advogado, seria praticamente impossível.

Na denúncia, o advogado ainda afirma que há denúncia de boca de urna contra Claudemir.

Com a divulgação das listas de votantes, outro indício de fraude foi identificado. Acontece que pessoas que não foram votar no dia tiveram seus nomes incluídos nas listas, inclusive com assinaturas supostamente fraudadas.

Uma delas, a dona da assinatura estava em viagem internacional e precisou se manifestar ao partido por meio de carta, com cópia de seu passaporte e fotos de sua viagem para comprovar que realmente não participou do processo.

Outra vítima é um servidor do Poder Judiciário. Ele já foi filiado ao partido, mas deixou a sigla porque não é permitido que servidores do Judiciário tenham filiação partidária. O servidor precisou registrar Boletim de Ocorrências.

Agora, dia 1º de outubro, representantes de uma das chapas, a “Somos Todos PT 450”, encaminhou requerimento à Executiva Nacional requisitando a anulação de todo o processo realizado em Mato Grosso, além de solicitar a juntada de provas de Terra Nova do Norte.

Nesse requerimento, eles pedem a realização de perícia grafotécnica de toda a lista de votantes da cidade e uma auditoria nas listas dos votantes de todos os municípios.

No documento, a “Somos Todos PT 450” chega a citar o Código Penal pela falsificação de documentos e afirma que vários filiados já pensam em deixar o partido. O requerimento é assinado por Girlene A. Ramos, James Frank Mendes Cabral e Robinson Cireia Oliveira.

BRIGA DE GRANDES

Caso comprovadas as suspeitas, o PT deve sair ainda mais manchado desse episódio. Marcado pelos diversos escândalos de corrupção, o partido está no alvo das críticas e de uma perseguição, cujos indícios de sua existência têm sido revelados pelo site The Intercept.

Em Mato Grosso, essa pode representar uma briga de grandes. Claudemir Barranco, que está no “olho do furacão”, é irmão do deputado estadual e presidente estadual do partido, Valdir Barranco.

James Frank, que assina o requerimento, por sua vez, é irmão do deputado estadual Lúdio Cabral, principal liderança do PT atualmente. Ambos os deputados se abraçam e trocam elogios em público. Embora neguem qualquer desentendimento e desrespeito, as conversas de bastidores, que podem ser verdadeiras ou não, comentam sobre uma forte disputa pelo poder.

Fonte: O Estado de Mato Grosso

————————–

Chapa cita votantes na Itália e pede que PT Nacional suspenda eleição – confira

Barranco diz que, na instância estadual, a chapa questionou só a participação de Claudemir como mesário

Mikhail Favalessa e Jacques Gosch

Reprodução

Claudemir Barranco denuncia

Acima, trecho da denúncia sobre fraude que será analisada pela executiva Nacional do PT

A chapa Plenária Livre, que disputou o Processo de Eleição Direta (PED) do Partido dos Trabalhadores, entrou com pedido na Comissão Executiva Nacional da sigla para que seja suspenso o resultado de parte do pleito, ocorrido em setembro. Há indícios de fraudes na votação em Terra Nova do Norte, onde duas votantes estavam em viagem para a Itália na data da eleição. Além disso, 45 municípios não enviaram ou enviaram fora do prazo, a lista de participantes.

Esta foi a primeira etapa da estadual, com eleição dos presidentes dos diretórios municipais. Até aqui, a Executiva Estadual do partido impugnou a urna de Juruena, onde um eleitor morto apareceu na lista de votação, mas negou impugnação das urnas de Terra Nova do Norte e Colíder.

O documento, encaminhado em 5 de outubro, é um adendo a um recurso que já havia sido encaminhado pela Plenária Livre no dia 1 deste mês. Assinam o pedido os petistas Edna Luzia Almeida Sampaio, Vera Araújo, Enelinda Scala, Otto Ten Caten, Carlos Saldanha e Willian Cesar Sampaio.

Em relação a Terra Nova do Norte, a chapa aponta irregularidades conduzidas por Claudemir Mendes Barranco, irmão do presidente estadual do PT, deputado Valdir Barranco, da CNB, a corrente majoritária do partido. Compareceram 194 dos 440 filiados aptos a votar, sendo que 100% dos votos foram para as chapas da CNB, em todos os níveis, sem nenhum voto em branco ou nulo.

Reprodução

Claudemir Barranco denuncia

Claudemir Barranco teria sido beneficiado em eleição realizada em Terra Nova do Norte

Foi pedida a lista de votação em 26 de setembro e recebida no dia 30. Segundo os membros da Plenária Livre, a maioria absoluta das assinaturas teriam sido feitas por apenas três pessoas. José Adrião de Souza Neto consta na lista, mas deixou o partido há quatro anos para assumir cargo no Judiciário.

Maristela Baratter Bavaresco e Giseli Bavaresco, mãe e filha respectivamente, constam na lista. Elas apresentaram passaporte e cartão de embarque de viagem para Roma com volta em 10 de setembro, dois dias depois da votação no município. Andressa Cristina Laborão Silva e Juliana Martins da Marta Rocha assinaram atestados e gravaram vídeos em que confirmam que não votaram no dia.

“As fraudes realizadas em Terra Nova do Norte são de grande magnitude. Além da gravidade dos desvios éticos e da prática de diversos tipos de crime, ela corresponde a 4,6% dos votos válidos no PED de MT e representa 6,5% dos votos obtidos pela chapa da CNB. Por ser beneficiária da prática de crimes eleitorais, que envolvem o irmão do Presidente Estadual do Partido, a tendência majoritária (CNB) usou a maioria absoluta que tem na CEE para acobertar a fraude e validar o resultado obtido através de práticas que envergonham o conjunto do partido”, diz o documento.

Os membros da chapa falam ainda sobre as listas enviadas fora da data. Ao todo, 52,32% dos municípios teriam descumprido o regulamento e, a comissão organizadora, validou as votações ainda assim. “A participação desses 45 municípios representou 44,42% dos votos válidos do PED (desconsiderando votos brancos e nulos) no estado e, representam 52,52% da votação obtida pela chapa estadual da tendência majoritária (CNB)”, destaca.

É pedida a anulação das votações nos municípios que não apresentaram a lista, e a suspensão das votações de todos os municípios com envio atrasado, sendo montada uma comissão com as chapas participantes para auditar os documentos.

Outro lado

O presidente estadual o PT, deputado Valdir Barranco, afirmou que na instância estadual, a chapa Plenária Livre apresentou recurso apenas com relação à participação de Claudemir como mesário em Terra Nova do Norte. “Em nenhum lugar do regulamento do PED diz que isso é proibido. Tanto é que em muitas cidades do Brasil, inclusive em outras cidades de Mato Grosso, das diversas correntes, tivemos municípios ligados ao deputado Lúdio, ligado à Edna, que os presidentes também estiveram como mesários”, afirmou o deputado.

Barranco destacou que o PT é o único partido que faz eleições diretas para suas representações em todos os níveis e disse esperar que a Executiva Nacional não acolha o recurso.

“Qualquer outra informação ou denúncia não cabe mais, porque já foi superado na instância estadual e quando se recorre à instância nacional só se pode recorrer em relação a aquilo que foi vencido aqui na instância estadual”, explicou.

FONTE RD NEWS

Petistas da Chapa do Lúdio Denunciam a Executiva Nacional Do PT Fraudes Em Eleições Em MT by Enock Cavalcanti on Scribd

Petistas Da Plenária Livre Denunciam a Executiva Nacional Do PT Fraudes Em Eleições Em MT by Enock Cavalcanti on Scribd

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × dois =