ADVOGADO LEONARDO CAMPOS REAGE: Diversos citados na delação de Silval Barbosa têm-se utilizado de deboche e escárnio contra a população

Respeito, não escárnio

POR LEONARDO CAMPOS

 

A colaboração premiada por parte do ex-governador Silval Barbosa elucidou como funcionava o sistêmico e ardiloso esquema de corrupção em Mato Grosso. As denúncias são graves e acompanhadas de provas, a priori, irrefutáveis da participação de agentes públicos no recebimento de dinheiro supostamente provindo de propina.

Diante das imagens veiculadas em rede nacional revelando a complexidade da organização criminosa que vinha vilipendiando os cofres públicos do Estado, a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB/MT) solicitou ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, responsável pela homologação da delação, que retirasse o sigilo do conteúdo apresentado pelo ex-governador Silval Barbosa.

O pedido foi baseado na premissa de que a sociedade, como principal interessada junto ao Estado de que haja punição a quem roubou o dinheiro público, tem o direito de acompanhar de perto as acusações que envolvem ministro de Estado, senadores, deputado federal, deputados estaduais, prefeitos, conselheiros do Tribunal de Consta do Estado (TCE), ex-parlamentares, servidores públicos e empresários.

A OAB/MT entende que a atenção aos princípios da ampla defesa e contraditório, da publicidade e do acesso à informação são garantias fundamentais que permitem aos acusados prestar a devida informação à Justiça e à sociedade.

Contudo, o que temos acompanhado é que diversos citados na delação do ex-governador Silval Barbosa, têm-se utilizado de deboche e escárnio contra a população. Notas enviadas à imprensa ou entrevistas concedidas a veículos de comunicação revelam conteúdo que mais se assemelha à continuidade da falta de respeito à sociedade, como outrora ocorrera quando o dinheiro que deveria ser destinado para o bem comum, foi parar em paletós, caixas de papelão ou em bolsas de grife.

É bem verdade, que o ordenamento jurídico brasileiro admite que ninguém seja obrigado a produzir provas contra si mesmo. Todavia, o que não se admite é que os suspeitos brinquem com a sociedade e emitam posicionamentos que tentam desqualificar a origem da delação premiada ou o trabalho de investigação que vem sendo realizado pelas forças competentes.

Diante deste delicado e importante processo de elucidação dos fatos, cabe à sociedade ser fiscal do andamento das investigações em relação ao caso em questão, afinal é a sociedade a maior prejudicada com cada real desviado das políticas públicas para o bolso de criminosos. Exigimos, enquanto cidadãos, que os envolvidos com os escândalos de corrupção, organização criminosa ou qualquer forma de vilipendio aos cofres públicos tenham o devido respeito com a sociedade.

Por ora, o caminho processual, rito solene pelo qual a Justiça faz tutela aos direitos e garantias do Estado, será o calvário daqueles que em determinado momento de suas vidas – durante a prestação do serviço público – chegaram a acreditar na impunidade.

Enquanto os fatos não forem esclarecidos, a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso estará junto com a sociedade na condição de fiscal, para que nenhum direito ou garantia seja diminuído ou desprezado.

*Leonardo Campos é presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB/MT)

Categorias:Cidadania

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 186.213.230.230 - Responder

    É vc e ilustre advogado, há levantou quantos colegas seus participaram?E se participaram a moralista OAB vai tomar alguma providência?Eu e a torcida do Flamengo, duvidamos muuuito.Essa tal de OAB é mais uma organização corporativista que enoja a sociedade brasileira.Vade retro.

    • - IP 179.254.144.91 - Responder

      Osmir gastando latim… Mas é só tocar nos desvios da Seduc, nos grampos, nas malas de dinheiro de Aécio que começam os insultos num português sofrível.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 + 5 =