ADVOGADO JOSÉ ORLANDO MURARO escreve sobre mamães e seus pequenos anjos, os filhos com Síndrome de Asperger. “O terceiro e mais grave erro é pensar ou tratar seu filho como se ele fosse portador de necessidades especiais. Uma criança Asper não tem necessidades especiais… ela tem dons especiais…habilidades especiais…. Em primeiro uma memória absurda, que a criança vai entupindo de informações. Na juventude se desenvolvem as capacidades de abstração e de síntese de tudo quanto ela armazenou. Mas paralelo a isto, as habilidades especiais vão aflorando…. mesmo na infância, escrevem bons textos, desenham bem, pintam bem, outros se dedicam à música, poemas”

José Orlando Muraro

José Orlando Muraro

Sobre mamães… e seus pequenos anjos….

Por José Orlando Muraro

 

 

Cuiabá a 11º C….ninguém acredita… o céu  cor de chumbo …. uma chuva fria….

 

Hora do almoço. Acendi o fogão a lenha….tarefa nada fácil em um dia de chuva…. resolvi  fazer carne de panela…. pouca coisa…um pouco para mim e outro tanto para o cachorro Ceará….

 

Enquanto enchia o copo de vinho branco, Campo Largo (tão bom quanto o Pérgola…mas  bem mais barato…) o celular dispara….

 

_ Oi… aqui é L., que era casada  com fulano, que foi teu aluno…..Preciso muito falar contigo… preciso mesmo….pode ser hoje?

 

_ Estou no escritório na General Mello….pode vir aqui?

 

_De dia não posso… eu estou trabalhando….só posso a noite. Por favor, preciso da tua ajuda…

 

Tudo bem. Desligou. Fiquei ruminando lembranças. 15anos atrás….a grande característica dela era a explosão de risos….. era capaz de rir até chorar…por mais incoerente que isto possa parecer….

 

Soube da separação… depois um outro relacionamento, outra filha….mas o tênue contato se dissolveu nas estradas da vida.

 

Um encontro em uma noite fria em Cuiabá. Não seria um flashback, pois nada tinha acontecido entre nós além de boas e altas gargalhadas. Era uma mulher que tinha me ligado e pedido ajuda .

 

Chegou às 20 horas. Já estava chovendo. Peguei um capote militar e a protegi, enquanto caminhávamos. Num frio daqueles, toda conversa é objetiva, sem muitos desvios ou firulas…

 

– Bom, tive a primeira filha com quem fui casada e você a conheceu. Depois tive outro relacionamento de alguns anos e outra filha. Separada de novo e outro relacionamento. Nasceram os gêmeos, hoje com  dez anos de idade.

 

Fechei-me em copas. Com certeza não sou o mais indicado para dar conselhos sobre relacionamentos que acabam mal…nem dos meus….

 

– Eis o problema. Um dos gêmeos é extremamente ativo, dentro da normalidade de uma criança naquela idade. O Outro, Davi, é totalmente diferente em seu comportamento. Há tempos venho consultando com psicólogas, neuropsiquiatras….profissionais que acho que só assistiram a Super Nani e os conselhos são sempre os mesmos…tenho que ser mais rígida….deixar de castigo…… uma chegou a me dizer que eu tinha que bater no meu filho… absurdo…

 

As palavras fluíam aos borbotões…

 

– Bom… na semana passada um psiquiatra  extremamente observador diagnosticou que Davi é  portador da Síndrome de Asperger….por isso vim te procurar…..

 

Silêncio.- E como posso te ajudar?

 

-Li teus artigos publicados no  blog do Enock Cavalcanti…no Páginadoe…. e você escreveu muito sobre com foi tua infância…quero que você me conte como é ser uma criança portadora da síndrome e o que eu tenho que fazer para ajudar meu filho….

 

Bendito santo Enock… por mais que meus textos nada tenham com o cerne do seu blog…ele os publica…. enquanto ela falava, um verso da música CORSÁRIO, ecoava na minha cabeça,  na voz de Elis Regina: “…mando mensagens em garrafas por todo o mar…. “ e alguém leu meus textos… e procura ajuda….

 

-Sabe…..vai ser uma longa conversa…vamos sair, procurar uma pizzaria e uma garrafa de vinho… e aí eu vou te contando…

 

Casa  da Pizza na General Mello.Uma pizza mezo-a-mezo de atum e bacon e uma garrafa de vinho Pérgola suave….

 

-Bom…. todo psiquiatra vai te dizer que a síndrome é um desvio  comportamental que começa na  infância…mas  isto é uma besteira. Criança nenhuma pede para ser diferente das demais. A conclusão que cheguei, e existem estudos feitos em animais, que um ASPER tem uma atrofia em uma das tantas glândulas que compõem o denominado sistema límbico do cérebro. Se a atrofia for muito extensa, a criança é uma autista completa….

 

– Eu li o que você escreveu sobre isto….

 

-Então nada de gardenal  ou coisa do tipo….outro erro é tentar  socializar uma criança ASPER…. forçá-la a ter relacionamentos com outras crianças da idade dela…. falo por mim mesmo…sempre fui solitário e feliz…extremamente feliz….. nada irrita mais um Asper do que outras pessoas…mesmo na fase adulta, se conseguimos reduzir nossos relacionamentos ao mínimo possível, mais feliz nós somos…

 

– Ele se dá muito bem com o irmão… brincam juntos…mas se outra criança se aproxima, ele acaba se irritando mesmo….

 

A pizza de bacon estava salgada. Com a pressão alta, comi um pedaço e ataquei outro de atum ….. e um bom gole do vinho….

 

-O terceiro e mais grave erro é pensar ou tratar  seu filho como se ele fosse portador de necessidades especiais.  Uma criança Asper não tem necessidades especiais… ela tem dons especiais…habilidades especiais….

 

O garfo com o pedaço da pizza estacionou antes da boca e voltou a pousar no prato. Ajustou os óculos. Um gole na taça de vinho, em silêncio.O recostar no espaldar da cadeira….

 

-Dons especiais… como assim… Quais dons?

 

-Em primeiro uma memória absurda, que  a criança  vai entupindo de informações. Na juventude se desenvolvem as capacidades de abstração e de síntese de tudo quanto ela armazenou. Mas paralelo a isto, as habilidades especiais vão aflorando…. mesmo na infância, escrevem bons textos, desenham bem, pintam bem, outros se dedicam à música, poemas…quando criança eu juntava os restos dos sabonetes para fazer pequenas e toscas estatuetas..era tão bom naquilo que meu pai volta e meia aparecia com um pacote de argila cinza que ele pedia em uma cerâmica……

 

-Ele só tem dez anos, mas escreve bons textos e também desenha muito bem….

 

– Sabe, até descobrir que era portador da síndrome, eu pensava que era maldição…. depois que passei a estudar os limites e conhecer as potencialidades, os dons, as habilidades, as coisas mudaram muito na minha vida…você não tem um garoto problema, mas um pequeno anjo com dons e habilidades divinas…..lógico que, se ele desmontar algo, ele não vai conseguir montá-lo de novo… se começar alguma coisa, normalmente ele não vai terminá-la, porque na cabeça dele a coisa já está pronta…mas isto não atrapalha os dons  e as habilidades especiais que ele possui…

 

Levantou os óculos, como se para afastar um cisco do olho direito. Mas era apenas uma lágrima que teimava em cair e se misturar com o azeite de oliva no pedaço de pizza. Se recompôs e acrescentou:

 

-Fiquei preocupada outro dia…quando ele disse que não quer deixar de ser criança…

 

– para um Asper o tempo não existe… e,  se  existe, conspira a nosso favor…você viu no escritório a coleção de cavaleiros medievais de chumbo, os relógios de bolso… um homem de sessenta anos não deveria gastar seu dinheiro com isto…coisa de criança, me dizem…  e isto, a negação da existência do tempo é o ponto essencial nas nossas vidas….

 

-Negar o tempo…como isto é possível?

 

-Como aquele pássaro no belo conto de Yourcenar. Ele vem da noite escura e entra por uma janela, onde os clãs irlandeses discutiam o seu futuro. Abandonar seus druidas e aceitar a fé cristã, pregada por Valentim,  ali presente, ou serem esmagados pelo exército  romano…. ele sobrevoa os presentes e sai por outra janela, de volta à escuridão fria da noite….

 

-Todos nós estamos na vida a passeio….alguns como turistas e outros como viajantes…as pessoas normais são os turistas…têm hora para tudo, chegam suando nas vans, seguem aos tropeços um guia que mais parece um papagaio repetindo coisas, uma paradinha aqui e ali para uma foto, um selfie e de novo entram naquela van do cotidiano da vida….

 

-Um Asper é um viajante….ele pára, aprecia a paisagem, sente o vento, toca nas pedras milenares das construções….ele prefere desenhar do que bater fotos….e se decidir…ele ficará por ali o tempo que desejar… ele nega a escravidão do tempo…. isto tem conseqüências, mas ele aceita pagar o preço…viver em uma honesta pobreza…mas não ser escravo de ninguém nem de coisa alguma….

 

22:30hs.

 

Hora de mandar empacotar o resto da pizza. Pagar a conta e retornar para casa.

 

Na rua, quando o carro parou, eu peguei o capote militar, dei um tchau e já ia entrar. Ela gritou para esperar, saiu do carro , veio e me abraçou. Obrigado, disse-me ela por três vezes.

 

-Vê se me liga…

 

-Sou um Asper adulto…você sabe que não vou te ligar…não é o tipo de obrigação que eu quero ter…

 

Respirou fundo e fechou os olhos…

 

-Tudo bem…eu te ligo…prometo que eu não vou ficar te aporrinhando…mas ainda preciso da tua ajuda…

 

-Eu sei…preciso te ensinar a treinar e desenvolver os dons e habilidades do teu filho…me ligue …. quero conhecer o garoto…

 

Passei pelo escritório e peguei o netbook. Na cozinha, nos fundos, fui em busca do resto, na garrafa de vinho,  aquela do almoço…. No netbook, a música CORSÁRIO, na voz de Elis Regina…como  é bom mandar mensagens, em garrafas, por todos os mares da existência humana…e tempos depois alguém te ligar e dizer:- li teus textos…preciso da tua ajuda….

 

Olhei para prato e panela, sobre a pia, sem serem lavados…Deixa para amanhã..eu não ia colocar minhas mãos naquela água fria….melhor beber o vinho e navegar pelos pensamentos, como um corsário cerebral…..

Cuiabá, 27 de abril de 2016

 

JOSE ORLANDO MURARO SILVA é advogado em Chapada dos Guimarães, fundador do jornal Pluriverso Chapadense

 

 

 

Categorias:A vida como ela é

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.7.212.2 - Responder

    Partir a geleira azul da solidão e buscar a mão do mar.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

6 − um =