PREFEITURA SANEAMENTO

ADAMS: Riva gasta quase 25 milhões por ano para calar imprensa

Deputado Geraldo Riva, com "a maior folha corrida do País", foi destaque na revista Veja, de circulação nacional

Riva, a Veja e o MP
por ADEMAR ADAMS

A reportagem da Veja reascendeu o debate em torno dos mais de 100 processos que o Ministério Público move contra José Riva.

O deputado e seus bajuladores, todos pagos com verba da Assembleia, direta ou indiretamente, vêm dizer que é matéria requentada.

Requentada não é. O assunto está presente no cotidiano de Mato Grosso. Os processos não param, e volta e meia sai uma sentença, um acórdão, que só não espocam na dita grande imprensa, porque Riva gasta cerca de 25 milhões por ano para calar, desde a TV Centro América até a rádio Canavial de Denise.

Um dia destes um desembargador afastou Riva do mando administrativo da Assembleia, mas a TV Bujão de Gás não noticiou. E eu não sei como o tal do Zarhan vive ganhando prêmio Brasil a fora…

Mas, se em Cuiabá todo mundo sabe da podridão da dita “casa cidadã”, o Brasil desconhece. Se a corrupção na Assembleia tivesse uma cobertura como a do chamado “mensalão”, o povo iria pedir a prisão perpétua de muitos deputados.

Então, tem muita gente do povo que acha que a culpa do Riva estar impune é do Ministério Público. É e não é. Os promotores fazem um trabalho magnífico, mas quando chega à cúpula, mais precisamente na Procuradoria Geral a coisa para. Antes era o simpático Paulão, que só enrolava. Agora é o “Cético” que acha que só daqui a mil anos, quando o nosso povo será igual aos finlandeses, a coisa vai ter solução.

Porque mais de cem processos?

Se alguém tiver a paciência de dar uma olhada nos processos, verá que em cada uma deles tem como réus Riva, Bosaipo e diversos servidores da casa, mais a coparceira, uma empresa de fachada, que deveria receber o dinheiro. Algumas existiram mesmo, outras os “donos” de nada sabem e tem uma que o proprietário já tinha morrido quando da sua constituição.

Os cheques estão lá, relacionados e fotocopiados com a assinatura dos dois deputados. E têm o endosso para sacar na boca caixa, o que é proibido.

Assim, cada processo tem o envolvimento de uma empresa diferente da outra. E mais, se fosse juntar tudo num só processo, teria mais de 80 mil páginas. Como manipular um processo destes? Quantos meses um juiz iria levar para ler todo ele? Quando chegasse à metade, já teria esquecido o começo.

O que o Riva quer é procrastinar o julgamento, pois ele sabe que lá no final a condenação é inevitável. Ele faz todas as chicanas possíveis, para travar a decisão final. Chegou ao ridículo de entrar com ação por danos contra um juiz que o condenou, buscando com isso impedir o magistrado do continuar atuando nos processos contra ele. Ainda bem que o Tribunal não deu guarida a esse tipo de achaque.

Uma parte do MP não é séria?

No dia da última posse do Riva na presidência da Assembleia, ele estava sendo entrevistado na TV Centro América. A grande jornalista Luzimar Colares não deixou de perguntar a ele sobre a centena de processos. Ele tentou justificar o grande número de ações dizendo que isso só existia porque uma parte do Ministério Público não era séria.

Pensei comigo: agora ele vai se dar mal com esta acusação gravíssima. Os dias passaram e nada aconteceu. Nem a Associação do MP pediu explicações, muito menos o Procurador Geral. Ora, deveriam pedir direito de resposta e exigir que o deputado dissesse quem no MP não era sério. Cheguei a cobrar uma atitude do doutor Marcelo Ferra, mas ele se fez de desentendido.

E agora o deputado, e aqueles com “Riva” à bico de pena no carro, vêm dizer que a Veja fez matéria paga contra ele. Que foi Pedro Taques e não sei mais quem que armou essa “calúnia”.

Eu penso que se o Riva fosse macho mesmo deveria pedir direito de reposta à revista. E mais, devia processar a Veja por calúnia e difamação. Mas ele só tem coragem de processar o Enock, a Adriana Vandoni, a Keka Werneck, o Ceará e este humilde jornalista.

Mas temos de lembrar que até o Fantástico e Faustini, o “repórter sem rosto”, da poderosa Globo ele conseguiu calar. O homem não é fraco não!

Ademar Adams, jornalista


Ademar Adams é jornalista em Cuiabá

 

 

 

 

 

SE VOCE AINDA NÃO LEU A MATÉRIA DA VEJA, CLIQUE NO LINQUE ABAIXO

http://paginadoenock.com.br/veja-confirma-pagina-do-e-riva-tem-maior-capivara-do-brasil/

11 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 65.49.14.79 - Responder

    Ademar, você é um calhorda, oportunista, midiático, lunático que só bate na AL pois a mesma não autorizou a regularização dos teus grilos em cotriguaçú!
    Que moral que tem a veja depois de ser sabidamente manipulada por um tal de Carlinhos Cachoeira?
    Deixa de ser ridículo, teus textos porcos e tendenciosos só aparecem em sites de quinta como o pagina do enock e prosa e política…
    Saem nesses sites não por seus donos erem pessoas isentas,
    No Prosa e Politica tem a magoa que a loira carrega desde os tempos em que o Riva deu um pé na bunda do seu antigo patrão Ricarte, o que colocou a carregadora oficial de pastas na rua da amargura!
    Já este site tem um ex assessor da recalcado da sérys que era pago pra meter pau no riva e não perdeu o costume!
    Vocês só batem por que não atendem teus interesses!

  2. - IP 177.97.63.27 - Responder

    Parabéns Dr. Ademar, seu desabafo toca na ferida desse Estado imundo, tanto que aparentemente o próprio Riva assumiu um heterônimo internetês e comentou (Gilberto Siqueira). Só pode ser o homem pra demonstrar tanta afetação diante das verdades que o senhor relatou. Fora Riva!

  3. - IP 189.10.99.202 - Responder

    Calhorda é vc senhor GILBERTO SIQUEIRA, vc e todos aqueles que defendem esse insano na presidência do legislativo matogrossense; Esse tipo de comentário e a cara de pau diante dos fatos claros e inconstestáveis, chegando a beira do rídiculo os esquemas armados pela dupla RIVA/BOSAIPO, uma vez que se entitulam os melhores de MT, pois ao tentarem fazer crer em suas versões, só podem acreditar eles mesmos que em MT não existem homem do cunhão roxo; A matéria retratou coloquialmente o esquema armado, firmas fantasmas, cheques trocados na boca do caixa ou factoring, escandâlo das calcinhas, empresa ED-MALUCO peças, hehehe; Isso é querer zombar da inteligência do povo, tinham tanta certeza da impunidade, que olhem só o nome que criaram para uma de suas empresas fantasmas; faça me o favor, coloquem esse cidadão na cadeia e exterminem qualquer laço que esses senhores possam ter na administração pública, que eles só tenham contato na administração penitenciária.

  4. - IP 201.34.222.218 - Responder

    Esse um aí que está defendendo o “maluf de MT” deve ser algum fantasma da assembléia , dada a apaixonada defesa do caititú chefe. Chamar alguém de calhorda é forte ,e o cidadão deve muito favor ao riva ( minusculo mesmo) para correr o risco de ter que provar que o jornalista é calhorda. Cuidado moço , quando o riva for tomar banho de piscina voce pode se afogar. PASSA RIVA.

  5. - IP 177.172.168.97 - Responder

    Ao fantasma Gilberto Sisqueira:

    1 – Nunca tive grilo em Cotriguaçu nem em lugar nenhum. Se tivesse não seria AL que iria autorizar, pois, ela nunca autorizou os grilos de Riva em terras públicas e terras privadas;
    2 – Não me cabe atestar a moral da Veja. Se ela ofendeu o Baixinho, ele que processe a revista, se for homem para isso;
    3 – Interessante que você lê estes “site de quinta” ….. Mas eu só publico aí, porque a maioria dos demais é cevada pela verba da Assembleia que o Riva usa para impedir que um jornalista livre e libertário como eu, manifeste seu pensamento;
    4 – Quando à corajosa blogueira Adriana Vandoni, se és homem, vá atacá-la lá no Blog dela;
    5 – A Serys não pagava ninguém para atacar Riva, pois, tinham se tornado amiguinhos, a ponto de ela chamá-lo publica e equivocadamente de “grande deputado”….;

    Mas Gilberto, se você existe mesmo e daí deve ter a alma alugada ao Baixinho, conta para os leitores deste “site de de quinta”, qual o carguinho que tens graças ao Riva. Assim podemos entende-lo e até perdoar as estultícias que você escreve.

  6. - IP 65.49.14.56 - Responder

    Caro Ademar, não esconda fatos, embora não venha ao caso, quem te conhece da região de Cotriguaçu, sabe do que estou falando!

    Da mesma forma que o senhor supõe que eu defendo o Deputado Riva a troco de cargo, posso também supor que o senhor ataca pois não conseguiu se inserir na divisão da fatia de 25 milhões!

    Sei quem é o Riva, sei quem são as peças do MP que o atacam e o por que dos aTAQUES, sei quem é você e o que representa a vossa ong que é usada para fins politiqueiros!

    Nesse jogo não há santos Ademar, nem Riva, nem o senhor!

    Infelizmente a corrupção está arrigada por todos os lados!
    Embora não venha ao caso, mas só a título de exemplificação, acreditava cegamente nos trabalhos de um tal de MCCE até descobrir que seu coordenador jurídico moralista é réu em duas ações civíl publicas por fazer contrato sem licitação com um prefeito ja falecido de uma cidade do médio norte!
    Acreditava em outro paladino da moralidade imaculado, intocável, até conferir a transparência do Senado Federal e descobrir que em seu gabinete esta lotado por exemplo, um cidadão que é professor da Universidade do Rio de Janeiro, contratado com uma carga horária semanal de 40 horas! (que tempo sobra pra ir dar expediente em Brasília?)

    Infelizmente, por onde olhamos tem corruptos, alguns são declarados, outros são covardes que se escondem por debaixo de instituições moralistas!

    Sobre a Adriana, o que disse aqui, ja cansei de escrever no blog dela, porém que fique claro, o Enock tem uma qualidade que passa longe dela! O Enock, é democrático, a Adriana é ditadora, censura seus leitores de forma arbitrária, mesmo quando não há ofensas pessoais ela simplesmente não publica comentários que não estão de acordo com a opinião dela!

    Acredito que o Riva é inocente;
    Acredito que o Taques é um santo;
    Acredito que a MORAL e o MCCE são isentos;
    Acredito no Papai Noel;
    Acredito no Coelhinho da Páscoa…

  7. - IP 189.59.69.195 - Responder

    Esta insinuação sobre “região de Cotriguaçu” é criminosa.
    O sr. esta me medindo por sua medida. Eu nunca precisei de nada deste deputado. E nem tenho interesse político ou politiqueiro.
    Você não sabe de nada, nem Ong Moral, nem de Ademar Adams, nem Taques.
    Se souber de alguma coisa errada, por que não denuncia?
    Se o “coordenador jurídico” do MCCE, do qual nem coragem de dizer o nome você possui, tem processos isso é com ele, represente contra o mesmo na OAB.
    Se um “senador”, tem um encabidado no Senado, denuncie publicamente em Cuiabá e no Senado.
    Por que você não aponta os corruptos como eu faço?
    Você é livre para dizer o que pensa, se estiver disponível para responder pelas afirmações. Mas esteja certo que nem todo mundo é corrupto. EU NÃO SOU!
    Por isso, não me misture, nem pessoalmente nem a Ong que eu dirijo, com Riva nem com outros corruptos.

    Pra fechar, veja uma trecho tirado hoje do Olhar Jurídico, sobre os 10 anos da operação Arca de Noé::

    “A força da organização do contraventor foi observada durante aquele período pelas ramificações políticas. De acordo com documentos apreendidos pela operação e analisados posteriormente, foi possível identificar que ele auxiliou 22 dos 24 deputados de uma legislatura da Assembleia Legislativa antes da operação ser decretada.”

    “E mais, na Operação Arca de Noé, foram encontrados 22 notas promissórias em nome do presidente e primeiro-secretário da Assembleia Legislativa de então, Humberto Bosaipo e José Riva (PSD). As promissórias de valores aproximados de R$ 700 mil somavam R$ 15,4 milhões. Riva explica que as promissórias foram caução para um negócio que não foi efetivado.”

  8. - IP 187.68.223.232 - Responder

    Parabéns a quem escreveu e a quem ainda tem coragem de publicar.Da nojo ver por aqui em nosso estado o quanto os poderes pagam pau Pra esse cidadão de pouco cabelo.Sites,rádios,tvs…Ninguém!! Bom por aqui êh ser filho,filhas,genro….Dos riva Ne?

  9. - IP 65.49.14.47 - Responder

    Ademar, sobre o Vilson, não vi necessidade de mencionar diretamente o seu nome, só citei esse exemplo genérico, para lembrar que a tua turma de moralistas também pratica atos imorais!

    Lógico que é louvável o papel fiscalizador do MCCE e da Ong Moral, no entanto, para ter credibilidade nas acusações deve necessariamente ter uma moral ilibada, não vejo como razoável, pessoas que se dizem exemplos, incorruptíveis, praticarem os mesmos atos que tanto lutam contra!

    Som alto na casa do vizinho incomoda, mas na minha casa pode?

    Sobre o senador e seus encabidados cariocas, acho que uma denuncia, uma requisição de informações, explicações ficaria mais a cargo da Ong Moral, pois creio que é esse seu objetivo. Essa luta é sua, não importa o lado!

    Em tese, imagino que uma luta contra a corrupção não pode ter lados ou bandeiras, não pode simplesmente escolher aquele que é o menos pior! Da mesma forma aguerrida com que investiga a podridão na AL pode também investigar os jogos de favores nos gabinetes dos senadores de nosso Estado!

    Já que não tem interesses políticos ou polítiqueiros coloque a sua Ong a serviço da sociedade de forma imparcial!

    Abraços

  10. - IP 189.59.69.195 - Responder

    A Ong Moral sempre procura a imparcialidade. Por isso vou acatar a sua sugestão e encaminharemos ofício ao senador Taques para que ele responda a denúncia por você formulada. Vamos juntar cópia das suas informações.
    E aguardamos outras denúncia que possam ser motivo de nossas ações.
    Grato.

  11. - IP 65.49.14.56 - Responder

    Bom Ademar, pelo tom dos teus artigos, sempre me pareceu que a Ong Moral era um órgão parcial e de cunho polítiqueiro! essa é minha impressão!

    Espero em breve poder volar aqui, neste artigo ou em qualquer outro que você escrever, e ter motivos pra dizer: “Ademar, aqui é o Gilberto Siqueira que sempre criticou a atuação da ONG MORAL, quero agora reconhecer meu equivoco!”

    Grato.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − 11 =