Ademar Adams estranha o enriquecimento de Percival Muniz, os esperneios de França contra locação de veículos na Assembléia e dá nova definição a Alexandre César: santo do pau oco!

Pequenas e grandes vergonhas
Por Ademar Adams (foto)

 
Tenho pra mim que a cassação do deputado Percival Muniz foi injusta. Foi uma daquelas firulas jurídicas onde uma verdade processual se torna mais forte que a verdade real. Seria por isso que “o constituinte nota dez do DIAP”, se tornou um pusilânime, escravo da ameaça de perder o mandato? 

Me parecia que só isso podia justificar que um político com sua trajetória, viesse agora com essa esparrela de apoiar J. Veríssimo como candidato ao governo do Estado. Que vergonha!

Mas daí vem a história da queda do avião e da fazenda dele e de dona Carla… Então começo a pensar: Ué, conheço ele pelo menos desde 1986, quando era um rapazola, candidato a deputado federal do PMDB de Bezerra. Agora tem avião e fazenda. É, política rende mesmo. Ele é na verdade um discípulo do Jaime.

 E o meio-deputado França Auau (que o Edilson Riva de Almeida chama de ‘eterno prefeito’) caiu de pau no governo por contratar locadora de veículo de fora do Estado. 

Ué, ele que acha que o Riva é santo, nunca disse uma palavra pelo fato de que num só ano, segundo o Tribunal de Contas, a “Casa do Polvo de Mato Grosso” ter gastado dois milhões em locação de veículos. E sabemos que cada deputado tem um Corolla à disposição, fora dezenas de outros veículos de propriedade do legislativo.

Onde é gastada toda essa grana com locação?  Ei, Alexandre César, santinho do pau oco! Ei! França Auau, que acha que o Riva é Deus. Ei! Serginho Ricardinho, rei da eco-demagogia televisiva. Ei! Maioria calada, silente, conivente, covarde: O povo quer respostas!
E quando é que o Ministério Público vai investigar os rodízios com falsos atestados médicos, também na Assembléia?

E a Câmara de Cuiabá? Esse vereador Deucimar poderia se tornar o maior herói da população cuiabana. É só segurar as pontas, ter mais calma e mais esperteza para não ser trucidado pela maioria de picaretas que o cercam que ele chega lá.

Que tal contratar a Fundação Cespe, ou outra empresa do ramo e fazer um grande concurso para dotar a Câmara de um efetivo de servidores dentro da lei?

Uma coisa é certa, ou faz concurso por bem, ou vai fazer na marra. É impossível, após 20 anos da Constituição de 1988, um órgão público, ter mais de 400 servidores e somente 76 serem do quadro efetivo.

Outra vergonha é o caso desse vereador Ralf. Não me importa se ele é homossexual ou não. Ele tem direito de usar seu corpo como quiser. Não na rua e nem com menores, é claro.

O problema é que pior que a nudez do personagem, é que o caso desnudou a Câmara de Vereadores. Não tem código de ética! Não tem no regimento rito para julgamento dos pares! Nunca cassou ninguém. Olha, ainda que eu viaje para o Sudão, não terei mais coragem de dizer que sou cuiabano. Vou morrer de vergonha…

Estamos aguardando também que o Corpo de Bombeiros informe à sociedade, como se deu a aposentadoria do rapaz.

Papo Final
Em formatura de UFMT também aparecem uns idiotas

Pois é. Mesmo com recomendação do cerimonial, durante a colação de grau das turmas de Enfermagem, Computação, Medicina Veterinária e Biologia, alguns idiotas ficaram usando aquelas buzinas infernais. Sabe a definição de quem usa e abusa de corneta: Corno.

O ruído destas porcarias é um atentado à saúde pública. Não adianta apenas recomendar. As Universidades devem colocar seguranças para retirar essa corja de baderneiros!

No baile da turma de Enfermagem então, foi um buzinaço só. Dizer que o pessoal está se formando num curso superior e consegue reunir um magote de idiotas tão grande, é mais uma das nossas pequenas vergonhas… 


Ademar Adams é jornalista em Mato Grosso  

 

Categorias:Cidadania

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

15 + catorze =