Ademar Adams, a obra na Estrada da Guia e os desvios da incompetência


Estrada da Guia: Os desvios da incompetência
Por Ademar Adams

Claro que a obra de duplicação da estrada da Guia na entrada de Cuiabá e a trincheira no encontro com a chegada de Chapada será um ponto positivo nesse governicho do Pedro Taques, mas o sofrimento imposto com os desvios está de amargar.

Eu não sei de quem é a culpa maior, se do estado ou do município, mas é notória a incompetência na formulação das rotas alternativas que nos impuseram. Não construíram lombadas, nem redutores de velocidade, nem colocam cones de alerta. Os amarelinhos sumiram.

Não colocaram as novas rotas como preferenciais e assim se formam longas filas de carros que tem de parar em cruzamentos onde a preferência é de poucos veículos que vem no outro sentido.

Numa das ruas tem um automóvel velho abandonado, que não tiveram capacidade de fazer a remoção. Sem falar nos contêineres atravancando as ruas.

Na chegada dos veículos desviados na Av. República do Líbano, além de ser uma rampa, os carros que vem da estrada de Chapada passam em alta velocidade, sem um redutor ou algum amarelinho para sinalizar. É risco de acidente todo dia e o dia todo.

Porque se retirou a rotatória do Posto Bom Clima? Como será quando começar a obra da trincheira?

Caminhões e ônibus são liberados para esta mesma rota, em ruas estreitas e seguidas viradas em 90 graus. Essa questão do tráfego de caminhões pela estrada da Guia é um escândalo.  Como permitem caminhões com carga virem por esta estrada desde Rosário Oeste? Dizem que é proibido, mas que fiscaliza essa proibição?

Na verdade, desde o governo do Blairo Máqquinas que não existe mais policia rodoviária estadual nas estradas. Ninguém fiscaliza nada. Bêbados dirigindo, veículos em alta velocidade, máquinas na rodovia sem batedor, e vai por aí.

O que fazem com a fortuna do IPVA que é arrecadada? Como é feita a divisão do bolo bancado pelos contribuintes?

É sempre importante que surjam novas obras para melhoria do trânsito, mas nós que ainda não nos esquecemos dos transtorno do VLT, quando sonhávamos com um transporte coletivo moderno. Sofremos durante anos por nada. Diziam que a culpa era a incompetência e a roubalheira do governo Silval. Como a incompetência e a roubalheira continuam neste governo e ainda adotaram a arapongagem pantaneira, só nos resta rezar…

Já na Prefeitura de Cuiabá, onde temos um prefeito fraco e um time de secretários onde a maioria é de quinta categoria, o padrão é a inércia geral. Pelo visto nada teremos de comemorar quando Cuiabá fizer 300 anos.
 
Ademar Adams é jornalista em Cuiabá-MT

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

10 + 10 =