Acredite se quiser: PMDB, agora, tenta reviver a candidatura de Dorileo

Depois da facada nas costa, Dorileo é novamente cogitado para assumir candidatura do PMDB na Capital. Virou piada

Mato Grosso Muito Mais Maggi
Por Pedro Pinto de Oliveira

Na coluna desta quinta (28) de Ilimar Franco de O Globo, o presidente nacional do PMDB, senador Valdir Raupp (RO), faz as contas das candidaturas viáveis do partido nas capitais brasileiras. Cuiabá não aparece mais na lista do PMDB nacional.

Aqui o partido jogou fora a candidatura de potencial de vitória, a do empresário João Dorileo. Trocou o certo pelo duvidoso, atraído pelo canto da sereia de ter o lugar mais valorizado da eleição deste ano: a vaga de vice de Mauro Mendes (PSB).

Mendes atraiu e depois jogou o PMDB fora, atendendo a exigência do senador Pedro Taques (PDT) que teria aceitado que Mendes coloque o PR do senador Blairo Maggi de vice, mas vetaria o PMDB do Silval Barbosa e do deputado Carlos Bezerra.

Ontem, depois da bola nas costas que levou de Mendes, o PMDB ainda tentava salvar o partido da situação vexatória. O senador Valdir Raupp e o vice-presidente Michel Temer ligaram atrás do empresário João Dorileo Leal tentando convencê-lo a retomar a candidatura.

A volta de Mauro Mendes à liderança de Blairo Maggi também causará alguns danos à imagem pública do senador Pedro Taques, já que a “oposição” vira “situação” e ganha novo sobrenome: “Mato Grosso Muito Mais Maggi”.

Uma saia justa também para o senador Pedro Taques. Agora aliado ao chefe da turma da botina, Taques vai precisar explicar porque aceita estar no palanque do PR de Blairo Maggi, investigado pelo Escândalo dos Maquinários, o famoso desvio de 44 milhões de reais de dinheiro público, mas veta o PMDB de Silval.

A nota de Ilimar Franco com as apostas do PMDB nacional sem a presença de Cuiabá na lista. Na capital de Mato Grosso um partido já está derrotado antes da campanha começar: o PMDB, que abriu mão da perspectiva de poder para sentar na canoa furada oferecida por Mauro Mendes.

AS APOSTAS.O PMDB espera dobrar o número de prefeitos nas capitais. Tem apenas três atualmente (elegeu cinco, mas perdeu dois que concorreram a governos estaduais nas últimas eleições, casos do Iris Rezende e José Fogaça). A principal aposta é a reeleição de Eduardo Paes, no Rio. Estão na conta do presidente do partido, o senador Valdir Raupp (RO), conquistas João Pessoa, Belém, Florianópolis, Boa Vista e Campo Grande. O PMDB deve ter candidato em 17 das 26 capitais.

Por falar em apostas. Mauro Mendes é amigo do peito e parceiro comercial de Blairo Maggi. Em 2014, se vencer a eleição como se configura com o seu poderio e favoritismo, qual será o candidato a governador do prefeito Mauro Mendes além dele mesmo? Maggi ou Taques? Façam as suas apostas.

FONTE PNB ON LINE

Categorias:Jogo do Poder

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.49.166.90 - Responder

    É uma pena que o grande líder Carlos Bezerra esteja desaprendendo. Em Rondonópolis se confirmar a coligação pró Ananias do jeito que está previsto é caixão e vela preta. Vão morrer todos abraçados. Aqui na capital é a velha história que se repete: um partido gigante com postura de nanico. O que se vê nos bastidores é o PMDB desesperado para emplacar o vice de Mauro Mendes, numa demonstração visível de estar reconhecendo sua incapacidade de andar com as próprias pernas. Lamentável.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

sete − seis =