A POESIA NOS TAPUMES DA CASA BARÃO – Poetas, escritores e a presidente da Academia Mato-grossense de Letras vão estar neste domingo realizando uma intervenção nos tapumes que cercam o prédio em reforma, no centro de Cuiabá

marilia beatriz no comando da amlAs letras vão para a rua neste domingo

Poetas, escritores e a presidente da Academia Mato-grossense de Letras vão estar neste domingo realizando uma intervenção nos tapumes que cercam o prédio em reforma

BEATRIZ SATURNINO
DC ILUSTRADO – DIÁRIO DE CUIABÁ

Neste domingo (24) as letras saltam o território da Academia Mato-grossense de Letras e vão para a rua. Um grupo de acadêmicos estará fazendo uma intervenção poética, colocando suas expressões num mural poético na calçada da Voluntários da Pátria. O tapume ao lado da obra de requalificação da Casa Barão de Melgaço servirá de suporte para a literatura mato-grossense. Quem está confirmado é Ivens Cuiabano Scaff, Eduardo Mahon, Cristina Campos e a presidente da Academia Mato-grossense de Letras (AML), Maria Beatriz Figueiredo, para o ato ás 10h30. Você, caro leitor, está convidado.

O motivo? Na verdade é a vontade adiada de estar produzindo no espaço, que reabrirá no mês de abril deste ano e, por enquanto, as atividades internas não são possíveis devido à reforma do prédio feita pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em conjunto com a Secretaria Municipal de Cultura. Os poetas, portanto, mostram que mesmo assim a AML está viva e seus membros ansiosos para as diversas atividades que têm reservado para o público.

“O que eu vejo? Como a Marília Beatriz assumiu a presidência agora fica a vontade de fazer alguma coisa diferente, principalmente a gente que entrou recentemente. Esta é uma maneira de divulgar de forma interessante, popular, de ver como será a reação das pessoas”, complementa a professora, mestre, doutora e escritora Cristina Campos.

Para Ivens Scaff o grafite dos versos dos poetas nos tapumes representa o quanto a Academia Mato-grossense de Letras está antenada com os novos tempos. Nesta ideia ele lembra que no interior da Academia já existe um grafite maravilhoso do Babu 78, que merece ser visto por todos os cuiabanos.

“A reforma da Academia proporciona a chance de se usar um suporte contemporâneo para a poesia. Só esse presente que a gente recebeu da reforma já é uma coisa fantástica. A Academia irá bombar este ano e esperamos o prestígio de todos mato-grossenses”, convida o acadêmico Ivens, que é escritor, poeta e segundo vice-presidente da AML.

Ou seja, este mural poético é uma forma de aproximação com o povo. Sendo assim, Eduardo Mahon ressalta que “as letras mato-grossenses devem sair do castelo de erudição para brincar com a nossa gente, porque a AML é patrimônio nosso, de todos. Nossa Casa Barão passou anos olhando o espelho. Agora a AML e o IHGMT estão enxergando a rua, a praça e o povo”.

Por isso entende que a cultura produzida pelos acadêmicos deve ser compartilhada, do lado de dentro e do lado de fora e que a presidente Marília Beatriz foi muito feliz na iniciativa e convida os intelectuais para serem felizes com a popularização da poesia mato-grossense.

“A Letra na rua é uma fantasia necessária para que a comunidade perceba que continuamos trabalhando a favor da cultura. É quase uma fantasia que faz parte da festa dos imortais. Sem dúvida pode ser um outro ritual, sem cautela, das energias positivas que emergem da Academia de Letras. As letras saem dos livros e saltam para os olhos do povo e vão para a rua”, conclui a presidente da AML.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dois × 1 =