PREFEITURA SANEAMENTO

A ministra Rosa Weber condenou João Paulo Cunha porque estranhou sequência das notas fiscais apresentadas pelo réu. Agora o dono da empresa afirma que prestou o serviço e oferece testemunhas. Como fica o argumento de Weber? Vai descondenar?

Se a ministra Rosa Weber tinha dúvidas, que investigasse direito. Bastava ligar para o dono da empresa, por exemplo, e perguntar se ele realizou mesmo o serviço.A falta de responsabilidade desses juízes é estarrecedora.

Cai argumento de ministra pra condenar Cunha
por Miguel do Rosário

A ministra do STF Rosa Weber condenou João Paulo Cunha porque estranhou a sequência das notas fiscais apresentadas pelo réu. Pois bem, agora o próprio dono da empresa dá entrevista afirmando que prestou o serviço e oferecendo testemunhas. Como fica o argumento de Weber? Vai descondenar? A falta de responsabilidade desses juízes é estarrecedora.

Pode-se até considerar estranho que notas fiscais referentes a serviços feitos em datas diferentes sejam sequenciais, mas não a ponto de usar isso como prova para se condenar alguém num processo no Supremo Tribunal Federal! A empresa em questão não é uma papelaria. É uma empresa de serviços. Ela pode muito bem passar as notas quando quiser, a partir do pedido do cliente. Se a ministra tinha dúvidas, que investigasse direito. Bastava ligar para o dono da empresa, por exemplo, e perguntar se ele realizou mesmo o serviço. Confira o noticiário.

Dono de empresa confirma versão de petista

JOSÉ ERNESTO CREDENDIO
NA FOLHA DE S.PAULO

O jornalista Anselmo Freitas, sócio da empresa que o deputado federal João Paulo Cunha (PT) diz ter contratado para fazer pesquisa com os R$ 50 mil que recebeu do valerioduto, confirmou ontem a versão do petista.

João Paulo, hoje candidato a prefeito de Osasco (SP), sustenta que o dinheiro, sacado do Banco Rural em Brasília por sua mulher, foi repassado pelo PT e usado para pagar a pesquisa, em 2003.

A pesquisa teria sido realizada pela Datavale, uma empresa que Freitas mantém com um sócio em Guaratinguetá, interior de São Paulo.

Anteontem, a ministra do STF Rosa Weber, ao votar pela condenação de João Paulo, levantou suspeitas sobre as notas fiscais apresentadas pelo deputado federal.

As notas, com número sequencial (151, 152 e 153), têm datas de 10 e 30 de setembro e 19 de novembro de 2003, lapso de tempo que seria incomum para documentos fiscais. Além disso, não houve eleições naquele ano.

Freitas disse ontem em entrevista à Folha que acompanhou o voto da ministra pela TV e concordou, em parte, com as dúvidas levantadas.

“Acho que é estranho [as datas das notas] mesmo, mas sou empresa pequena e tiro pouca nota fiscal. Mas são notas fiscais com imposto pago, tudo. Pode causar estranheza, mas nem os procuradores nem o relator do processo entraram nisso aí”, disse.

O jornalista frisou que as pesquisas ocorreram. “Eu não sei se ainda tenho, mas eu tinha os questionários. E, ontem, uma pessoa que trabalhou na época com a gente ligou para o meu sócio e falou que, se precisasse de testemunhas, estaria à disposição”, disse Freitas.

Segundo ele, a empresa já trabalhava para João Paulo e políticos da região de Campinas. No caso de João Paulo, a Datavale, sustenta Freitas, fez levantamentos sobre a viabilidade de nomes do PT para a eleição do ano seguinte.

Freitas saiu em defesa do candidato. “Ele poderia alegar qualquer coisa, que tivesse gasto com outras coisas, poderia ter outras notas.”

O jornalista afirmou que, na ocasião do escândalo, o deputado telefonou para a empresa. “Ele ligou para a gente e disse que iria falar que o dinheiro foi para a gente. A gente se ferrou muito por isso, perdeu muito cliente, mas eu não poderia falar que não tínhamos trabalhado.”

9 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.11.230.34 - Responder

    Na verdade o pecado do João Paulo é duplo. O primeiro e principal pecado foi o de pegar dinheiro de uma empresa contratada pela Câmara dos Deputados Federais, da qual ele era o Presidente, o que de forma nenhuma é permitido. Se fosse o Riva que tivesse recebido dinheiro de uma empresa contratada pela Assembléia Legislativa de MT, os petistas estariam até babando para condenar, e não estariam errados. O que o ainda Deputado João Paulo Cunha fez ou deixou de fazer com a propina que ele recebeu, pouco interessa, caso contrário, seria fácil se livrar de acusações de corrupção, pois bastaria pegar recibo de que gastou o dinheiro em atividades partidárias. Há petistas por aí que já estão alegando que os mensaleiros petistas não cometeram nenhum crime porque o dinheiro desviado para PT era do governo do próprio PT e então não haveria crime nenhum. Esses abusados sabem como ninguem rebaixar as instituições, a começar pela política.

  2. - IP 201.86.180.184 - Responder

    Poxa, eu não rsperava lsso de vce,Enock,esse pilantra fez parte da farsa,e a palavra dele, ñ se compara com a da ministra,ele esta tentando livrar a cara,esse mentiroso!

    • - IP 189.11.230.34 - Responder

      Sr. Osmair, pior do sustentar uma farsa já desmascarada é tentar desviar o debate para o destino do dinheiro da propina, ou seja se foi ou não para o PT, quando na verdade o que importa é se foi recebida a propina. Se o produto da propina foi gasto em atividades partidárias do PT, então é o caso de investigar porque com certeza há outras pessoas no partido beneficiárias do dinheiro.

  3. - IP 200.129.242.34 - Responder

    O QUE MAIS ME ADMIRA É DISCUTIR CRETIBILIDADE ENTRE A PALAVRA DE UMA MINISTRA EM COMPARAÇÃO COM A DO LADRÃO DE DINHEIRO PÚBLICO. ACORDA GENTE

  4. - IP 189.10.10.105 - Responder

    Falou e disse, José Roberto.

  5. - IP 177.0.53.15 - Responder

    primeiro notas sequenciais já são indicio de crime
    segundo se o empresário alega que o serviço foi cumprido, então o advogado do ex deputado, atual corrupto, deveria ter arrolado tal empresário como testemunha…se não o fez foi inábil e o cliente dele vai parar da cadeia
    simples assim,

  6. - IP 201.67.98.142 - Responder

    Que artigo mais cinico. Ora essa cambada fez festa com dinheiro público e alguns vem colocar em duvida a decisÃo do STF ?? Aff!

  7. - IP 177.5.126.159 - Responder

    Para o Enock Riva já é culpado, porém João Paulo Cunha e José Dirceu são santos, quero ver quando chegar a hora do Henry, capaz do Enock defendê-lo.
    Enock acredita na inocência dos petralhas da mesma forma que crê em mula sem cabeça e saci pererê.

    PT nunca mais.

  8. - IP 200.96.208.165 - Responder

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk a ministra esta errada e os politicos certos, não sei pq estão sendo condenados, são todos inocentes. gente algumas pessoas também são inocentes… rsrsrsrsrsrrs

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quinze − 6 =