TCE - NOVEMBRO 2

THE ECONOMIST: Poder da Globo não tem paralelo no mundo

Repórteres Sem Fronteiras denunciam concentração da mídia no Brasil – O Pais dos 30 Berlusconis by Enock Cavalcanti

Publicação  Repórteres Sem Fronteiras já denunciara, para todo mundo, a pantagruélica concentração do controle da mídia no Brasil. Graças a este enorme poder, a família Marinho, que controla a Rede Globo, acaba tendo maior influência sobre a população que estruturas como a dos partidos políticos, da Igreja e do parlamento no País.

Publicação Repórteres Sem Fronteiras já denunciara, para todo mundo, a pantagruélica concentração do controle da mídia no Brasil. Reportagem da insuspeita revista inglesa The Economist reforça esta constatação. Graças a este enorme poder, a família Marinho, que controla a Rede Globo, acaba tendo maior influência sobre a população que estruturas como a dos partidos políticos, da Igreja e do parlamento no País.

Revista The Economist destaca a dominação da Globo no Brasil

domination

Por Bruno Barros Barreira

ANÁLISES E ESTUDOS DO JORNALISMO E DA COMUNICAÇÃO

http://estudosdojornalismo.com.br/revista-the-economist-destaca-a-dominacao-da-globo-no-brasil/

 

Em qualquer democracia do mundo, a grande imprensa deve ser plural, diversificada, apresentar diversas formas de ver e entender a realidade. Em outras palavras, não deve ser monopolizada ou oligopolizada, como acontece no Brasil – situação que, há muito tempo, chama a atenção do mundo.

No último dia 07 de junho, a revista inglesa The Economist ressaltou o poderoso império que a TV Globo possui no Brasil em pleno século XXI. Sob o título de “A Dominação da Globo”, a reportagem afirma ser surpreendente que a emissora irá contar com uma audiência de 91 milhões de telespectadores durante a transmissão da Copa da Fifa e que isso não represente algo verdadeiramente especial, mas cotidiano.

A revista destaca que o nível de concentração da TV Globo é algo sem paralelo. Nos Estados Unidos, por exemplo, a CBS, rede que possui maior audiência do país, possui apenas 12% da audiência nacional. O que a reportagem deixa claro, portanto, é que o nível de concentração midiática da TV Globo representa um poder excessivo dentro de uma democracia.

Um reflexo desse poder, segundo a The Economist, está no fato de que a Globo é capaz de moldar a cultura e os hábitos dos brasileiros. “Os críticos são abalados por causa da ação de publicidade da empresa e sua audiência. Ele controla tudo, desde o acesso de brasileiros as notícias até os salários dos jornalistas. Mesmo programas de entretenimento podem ser notavelmente influentes. ‘Salve Jorge’, uma novela recente baseada na Turquia, levou hordas de brasileiros para tirar férias lá. Seus programas também moldam a cultura nacional”, afirma.

Outra questão destacada na reportagem é o fato de que nenhuma autoridade política no país tem coragem de enfrentar o problema. A revista cita exemplos de países como México e Argentina, onde políticas governamentais estão em curso para diminuir o poder da Telmex e do grupo Clarín, respectivamente. Já “o governo do Brasil é mais dócil para os proprietários de meios de comunicação”, ressalta.

O texto destaca ainda que Roberto Marinho foi um grande defensor da Ditadura Militar e que, pela primeira vez, “o império” está enfrentando uma boa concorrência no setor de propaganda com o Google. E isso se dá por causa do crescente número de usuários da internet no Brasil. No entanto, The Economist identifica que a “Globo ainda é o maior peixe numa lagoa grande, e pode manter o controle sobre a atenção dos brasileiros, mesmo que migrem para novas plataformas”, concluí.

————-

Television in Brazil

Globo domination

Brazil’s biggest media firm is flourishing with an old-fashioned business model

Globo’s not so little piece of the ratings

WHEN the football World Cup begins on June 12th in Brazil, tens of millions of Brazilians will watch the festivities on TV Globo, the country’s largest broadcast network. But for Globo it will be just another day of vast audiences. No fewer than 91m people, just under half the population, tune in to it each day: the sort of audience that, in the United States, is to be had only once a year, and only for the one network that has won the rights that year to broadcast American football’s Super Bowl championship game.

Globo is surely Brazil’s most powerful company, given its reach into so many homes. Its nearest competitor in free-to-air television, Record, has an audience share of only about 13%. America’s most popular broadcast network, CBS, has a mere 12% share of audience during prime time, and its main competitors have around 8%.

The company started in Rio de Janeiro with a newspaper, O Globo, in 1925, and was built by a visionary and long-lived media titan, Roberto Marinho, who died in 2003 at the age of 98. As it grew in the television age, Globo has arguably done as much as any politician to unite a vast and diverse country, from the Amazonian jungle to the heart of coffee-growing country, from wretched favelas on the urban periphery to the fancy boutiques of downtown Rio and São Paulo. Today it is controlled by Mr Marinho’s three sons and towers over Brazil like Rio’s Christ the Redeemer statue. It is the largest media company in Latin America, with revenues that reached 14.6 billion reais ($6.3 billion) in 2013, having climbed impressively over the past decade. As a powerful, family-owned media firm, it looks like a local version of Rupert Murdoch’s News Corporation, without the family drama.

Globo counts pay-TV stations, magazines, radio, film production and newspapers as part of its empire, but most of its profits come from its broadcast network, which airs salacious telenovelas, or soap operas, that are always the talk of Brazil. In richer countries the habit of “appointment viewing” has declined with the spread of digital video recorders, but Brazilians still tune in devoutly for the three telenovelas that run each evening, six days a week.

Globo airs Brazil’s snazziest and freshest shows, yet its business model feels decidedly old-fashioned. Its programmes are filmed on its own vast studio lot, called Projac, nestled among forested mountains on the edge of Rio. Actors and writers are on contract, just as they were in the early days of Hollywood. Workers stitch lavish costumes and build intricate sets on site, like those of “Meu Pedacinho de Chão” (“My Little Patch of Land”), one of the current soaps, a fantastical tale about a small town seen through a child’s eyes (pictured). The telenovela format can be adapted to audience feedback, and plots can be changed on the fly depending on what viewers like.

Globo executives obsess over the real-time audience figures streamed to their offices. “If ratings decline a tenth of a percent, you feel this building shake,” one of them says. For advertisers wanting to get a message to a national audience, it is the obvious choice. Globo knows this, and is estimated to have raised its rates for prime-time spots by nearly 60% since 2010.

Setting the standard

Not everyone is comfortable with Globo’s good fortune. Critics are unsettled by the firm’s share of advertising and audience. It controls everything from Brazilians’ access to news to the market rates for journalists’ salaries. Even entertainment shows can be remarkably influential. “Salve Jorge”, a recent soap set in Turkey, prompted hordes of Brazilians to take holidays there. Its programmes also shape the national culture. This year it aired what it believes was the first gay kiss on a broadcast network.

Elsewhere in Latin America big media companies are in the midst of real-life dramas. Argentina’s Grupo Clarín is being carved up by the government, and Mexico is trying to make Carlos Slim’s Telmex slim down. But Brazil’s government is more docile towards media owners. It helps that the Marinhos tend to adapt to the political climate. Mr Marinho was a staunch supporter of the country’s 1964-85 military dictatorship; today his sons live in a more liberal, democratic Brazil and stay out of the public eye. Last year they ran an apology for their father’s politics in the “errors” section of O Globo.

Brazil does not have a tradition of sequels and prequels, and popular telenovelas are always killed off after a few months to make way for new ones (“Meu Pedacinho” is a rare remake). Likewise, for two decades people have predicted that Globo’s heady success would come to an end as Brazilians look for entertainment elsewhere. So far it has defied them. Sir Martin Sorrell, the boss of WPP, an advertising firm, points out that, as in Japan, traditional media in Brazil are “like a fortress” and continue to hold strong in spite of the incursions of new entertainment sources.

Because Brazil has lagged media trends in rich countries, Globo has been able to watch foreign firms’ mistakes “so we don’t have to make them”, says Roberto Irineu Marinho, the group’s boss. But internet use has taken off in Brazil, and will alter consumers’ viewing habits over time. Today Brazil has more mobile phones than it has people, and penetration of pay-television has slowly crept up to around 28% of households. In April Brazilians spent around 12.5 hours a week on online social networks from their desktop computers, more than double the global average, according to comScore, a research firm. For the first time in Globo’s history it is facing serious competition for advertisers and audience. Increasingly, Brazil’s advertising market will be a contest between the two Gs: Globo and Google.

Globo is still the biggest fish in a big pond, and can keep a hold on Brazilians’ attention, even as they migrate to new platforms. For example, as more households can afford pay-TV packages, Globo may lose viewers from its free-to-air network, but should gain when they tune in to the group’s paid-for channels. It is experimenting with new online offerings, such as letting people subscribe for a monthly fee to view its content online with a time delay.

“We don’t want to jeopardise our advertising revenues by changing people’s habits, but we have to be ready,” says Jorge Nóbrega, a senior Globo executive. Netflix, an American online-video firm, has entered Brazil, but Globo-boosters argue that Brazilians prefertelenovelas to foreign fare. In television, as in football, they are likely to keep rooting for the home team.

—————-

Economist: Brasil “mais dócil com relação aos donos da mídia”

 

Desculpem nossa falha

Televisão no Brasil

Dominação da Globo

A maior empresa de mídia do Brasil floresce com um modelo de negócios antiquado

 

Da revista britânica Economist

Tradução de Heloisa Villela – VIOMUNDO

Quando os jogos da Copa do Mundo começarem no dia 12 de junho no Brasil, dezenas de milhares de brasileiros assistirão às festividades na TV Globo, a maior rede de televisão do país. Mas para a Globo será apenas mais um dia de vasta audiência.

Nada menos do que 91 milhões de pessoas, pouco menos de metade da população, sintoniza nela todo dia: o tipo de audiência que, nos Estados Unidos, acontece no máximo uma vez por ano, e apenas para a rede de tevê que conseguiu os direitos de transmitir, naquele ano, a final do campeonato de futebol americano, o Super Bowl.

A Globo é, com certeza, a empresa mais poderosa do Brasil dado o seu alcance em tantas residências. Seu competidor mais próximo na tevê aberta, a Record, tem uma fatia da audiência de apenas 13%. A rede mais popular dos Estados Unidos, a CBS, tem apenas 12% da audiência no horário nobre, e suas competidoras têm em torno de 8%.

A empresa começou no Rio de Janeiro com um jornal, O Globo, em 1925, e foi construída por um titã da mídia, o visionário e longevo Roberto Marinho, que morreu em 2003 aos 98 anos.

Na medida em que cresceu, na era da televisão, a Globo, sem dúvida, fez tanto para unificar o vasto e diverso país, das florestas da Amazônia ao coração do país produtor de café, das favelas deploráveis da periferia urbana às boutiques glamorosas dos centros do Rio e de São Paulo.

Hoje ela é controlada pelos três filhos do Sr. Marinho e domina o Brasil como a estátua do Cristo Redentor domina o Rio. Ela é a maior empresa de mídia da América Latina, com receitas que atingem 14,6 bilhões de reais (U$ 6,3 bilhões) em 2013, que cresceram impressionantemente na última década. Como uma empresa familiar e poderosa, ela mais parece uma versão local da News Corporation de Rupert Murdoch, sem o drama familiar.

A Globo tem, com parte de seu império, tevês por assinatura, revistas, radio, produção de filmes, jornais mas a maior parte de seus lucros vem da rede de tevê que transmite novelas obscenas que sempre se tornam o assunto mais falado do Brasil. Em países mais ricos, o hábito de “assistir com hora marcada” caiu, com a popularização dos gravadores digitais de vídeo, mas os brasileiros ainda ligam, devotamente, nas três novelas que são apresentadas todo dia, seis dias por semana.

A Globo transmite os programas mais modernos e atuais do Brasil, ainda assim, seu modelo de negócios parece decididamente ultrapassado.

Seus programas são gravados em seus próprios e vastos estúdios, chamados Projac, encrustados em montanhas cobertas de florestas na periferia do Rio. Atores e roteiristas são contratados, como eram nos primórdios de Hollywood.

Trabalhadores costuram figurinos exuberantes e constroem sets complexos nos locais de filmagem, como o de “Meu Pedacinho de Chão”, uma das atuais novelas, um conto fantástico a respeito de uma cidade pequena vista pelos olhos de uma criança. O formado da novela pode ser adaptado à reação do público, e as histórias podem ser alteradas rapidamente, dependendo do que os telespectadores acham.

Os executivos da Globo são obcecados com os resultados da audiência em tempo real, transmitidos para seus escritórios. “Se a audiência cai um décimo, você sente esse edifício tremer”, um deles disse. Para os anunciantes que querem levar sua mensagem a uma audiência nacional, é a escolha óbvia. A Globo sabe disso e estima-se que elevou seus preços para os comerciais em horário nobre em cerca de 60% desde 2010.

Estabelecendo um padrão

Nem todo mundo se sente à vontade com a sorte da Globo. Os críticos ficam inquietos com a fatia que ela tem da audiência e do bolo da propaganda. Ela controla tudo, do acesso que o Brasil tem às notícias às fatias de mercado e ao salário dos jornalistas. Até mesmo programas de entretenimento podem ser marcadamente influentes. “Salve Jorge”, uma novela recente, passada na Turquia, levou hordas de brasileiros ao país, nas férias. Seus programas também determinam os rumos da cultura nacional. Este ano ela mostrou o que se acredita ter sido o primeiro beijo gay em uma rede de televisão.

No restante da América Latina as grandes empresas de mídia vivem um verdadeiro drama. O Grupo Clarín da Argentina está sendo desmembrado pelo governo e o México está tentando forçar Carlos Slim a reduzir o tamanho da Telmex. Mas o governo do Brasil é mais dócil com relação aos donos da mídia. Também ajuda o fato de os Marinhos terem a tendência de se adaptar ao clima político. O Sr. Marinho era um grande defensor da ditadura militar do país, de 1964 a 1985; hoje, seus filhos vivem em um Brasil mais liberal e democrático e vivem longe do olhar do público. No ano passado eles publicaram um pedido de desculpas pela política do pai na seção de “erros” do jornal O Globo.

O Brasil não tem uma tradição de sequências, novelas populares são sempre encerradas depois de alguns meses para dar lugar a outras novas (“Meu Pedacinho” é uma refilmagem rara). Da mesma maneira, durante duas décadas muita gente previu que o sucesso da Globo chegaria ao fim enquanto os brasileiros buscavam entretenimento em outra parte. Por enquanto eles erraram. Sir Martin Sorrell, o dono da SPP, uma empresa de propaganda, destaca que, assim como no Japão, a mídia tradicional no Brasil é “como uma fortaleza” e continua firme apesar das incursões de novas fontes de entretenimento.

Como o Brasil está um pouco defasado em relação às tendências da mídia nos países ricos, a Globo tem sido capaz de observar os erros das empresas estrangeiras “e por isso não precisamos repeti-los”, disse Roberto Irineu Marinho, o chefão do grupo. Mas o uso da internet disparou no Brasil e com o tempo vai alterar os hábitos dos telespectadores.

Hoje o Brasil tem mais telefones celulares do que habitantes e a penetração da teve por assinatura aumentou para cerca de 28% dos domicílios. Em abril os brasileiros passaram cerca de 12,5 horas por semana em mídias sociais online, em seus computadores, mais do que o dobro da média global, de acordo com a comScore, uma empresa de pesquisas. Pela primeira vez na história da Globo ela está enfrentando competição séria por anunciantes e audiência. Mais e mais o mercado de propaganda do Brasil será uma disputa entre os dois Gs: Globo e Google.

A Globo ainda é o grande peixe no pequeno lago e pode manter a atenção dos brasileiros mesmo se eles migrarem para outras plataformas. Por exemplo, quanto mais residências podem pagar os pacotes de tevê paga, a Globo pode perder telespectadores de sua tevê aberta mas vai ganhar quando eles sintonizarem em canais pagos do grupo. Ela está experimentando novas ofertas onlin,e como permitir que as pessoas façam assinaturas mensais para ver seu conteúdo online com um tempo de atraso.

“Nós não queremos prejudicar nossas receitas com anunciantes trocando os hábitos das pessoas, mas temos que nos preparar”, disse Jorge Nóbrega, um executivo sênior da Globo. A Netflix, uma empresa de vídeos online dos Estados Unidos, entrou no Brasil, mas os defensores da Globo dizem que os brasileiros preferem assistir telenovelas do que contos estrangeiros. Na televisão, como no futebol, é bem provável que eles prefiram continuar torcendo para o time da casa.

Categorias:Imprensa em debate

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    Parabéns às Organizações Globo, a maior empresa de comunicações do Brasil e da América Latina e uma das maiores do mundo.

    O sucesso nos negócios é sempre elogiado e estudado dentro de todas as escolas de negócios e faculdades de administração de empresas no mundo inteiro.

    Honra ao mérito e ao trabalho empreendedor da família Roberto Marinho!

    Quanto aos muitos críticos (esquerdistas ou não) da Globo, lembro o que diz a sabedoria popular: Não inveje, trabalhe! Não queriam somente criticar, invejar, odiar e destruir a Globo (e as maiores empresas de comunicações, seus jornalistas e demais funcionários no Brasil e no mundo).

    Tenham uma atitude mais inteligente e digna: construam suas próprias empresas de comunicações (ou de mídia, se preferirem este termo) de forma lícita e lucrativa (ou sustentável, se preferirem este termo)!

    Tomem a Globo e todas as empresas de comunicações de sucesso no mundo como exemplos a serem imitados e copiados sem nenhum pudor, sem hipocrisia, sem falsos moralismos e com muita sinceridade, franqueza e honestidade!

    A competição entre as empresas é positiva e desejável (principalmente dentro das teorias do liberalismo econômico e do direito empresarial), mas sejamos sinceros e realistas: quase todos os empresários (com exceção àqueles que não querem que seus negócios cresçam e/ou são adeptos da economia solidária) querem aumentar ao máximo possível suas fatias de mercado (market share)!

    Isto é a mais pura e real prática cotidiana de mercado nua e crua! Ou tu achas que as revistas Carta Capital e The Economist, por exemplo, não gostariam de aumentarem exponencialmente seus leitores, assinantes e lucros líquidos a cada ano?

    Business is business! Sabe de nada, inocente….rs.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Organizações_Globo

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro + 7 =