A despedida de Chico Alencar. Historiador, filiado ao PSOL, não quer mais se candidatar a cargos públicos.

Chico Alencar: “A esquerda perdeu a disputa de ideias na sociedade”

por Bernardo Mello Franco, em O Globo

Há nove dias, o deputado Chico Alencar subiu num caixote de madeira para conversar com eleitores no centro do Rio. De camiseta e sandálias de couro, comentou o noticiário político e distribuiu um folheto sobre o trabalho em Brasília. Foi a última vez que ele cumpriu o ritual de todas as sextas-feiras, dia em que presta contas do mandato em praça pública.

Depois de 16 anos, Chico vai deixar o Congresso. O historiador abriu mão de uma reeleição segura para concorrer ao Senado como azarão. Recebeu 1,2 milhão de votos, mas ficou em quinto lugar. A derrota deu início a uma fase de reflexões. Na quarta-feira, ele fez o discurso de despedida. Ao descer da tribuna, produziu uma cena inusitada: petistas e bolsonaristas se uniram na mesma salva de palmas.

“Senti uma emoção diferente, de missão cumprida e, para minha surpresa, reconhecida”, conta. “Mediar é diferente de fazer média e de conciliar. Talvez venha daí o reconhecimento dos conservadores: sempre tento afirmar posições sem agredir. As ideias devem brigar, não as pessoas”, defende.

Para Chico, o Parlamento deveria ser o lugar de “civilizar o debate e dar racionalidade às contradições”. Ele crê que esses princípios ficarão ainda mais fora de moda na próxima legislatura. “O clima deve se acirrar. A revolta com a política produziu um voto raivoso, que elegeu governantes e parlamentares truculentos. Serão tempos piores”, prevê.

O deputado chegou a Brasília em 2003, eleito pelo PT. Viveu a euforia com a posse de Lula e a decepção com o mensalão. No dia em que o marqueteiro Duda Mendonça admitiu ter recebido dinheiro de caixa dois, foi às lágrimas no plenário. Saiu do partido e ajudou a fundar o PSOL.

“A esquerda ganhou pecha de corrupta, ficou identificada com a podridão do sistema. É uma tragédia, mas caímos na vala comum”, reconhece.

Na contramão dos petistas, Chico defende uma autocrítica rigorosa para sair do buraco. “Não dá para esconder a enorme derrota histórica que nós sofremos. A extrema direita conseguiu canalizar a indignação da sociedade”.

Ele também diz que o PSOL precisa repensar a ênfase em pautas identitárias e temas que assustam o eleitor não engajado. “Outro dia, eu estava numa passeata e a turma começou a cantar: ‘Eu quero o fim da Polícia Militar’. Aí um PM veio falar comigo: ‘Seu Chico, vocês querem que a gente fique desempregado?’. Às vezes o slogan reduz o alcance do que se propõe”, observa.

O deputado se surpreendeu com a vitória de Jair Bolsonaro, que considera “raso e despreparado”. “Há três anos, eu diria que era mais fácil o Tiririca se eleger presidente”, admite. Ele prevê tempos difíceis e teme uma escalada autoritária. “A esquerda perdeu a disputa de ideias na sociedade. Mas nada é definitivo, a história dá muitas voltas”, lembra.

Aos 69 anos, Chico planeja fazer doutorado e voltar a dar aulas na UFRJ. “Preciso trabalhar para sobreviver. Deputado não é profissão”, afirma o historiador, que não aderiu ao generoso plano de previdência parlamentar. Ele diz que não quer mais se candidatar a cargos públicos. “Tinha seis ternos, já doei três. Espero não ter que usar os outros, prefiro andar de bermuda”, brinca. “Mas não pretendo me aposentar para jogar sueca na praça!”

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro × 5 =