O PALÁCIO DOS ESPORTES Por José Antonio Lemos     Quem não se preocupa com a situação atual da Arena Pantanal de mais de R$ 600,0 milhões, reconhecida internacionalmente como um dos mais importantes exemplos de arquitetura contemporânea no mundo e escolhida como a mais funcional de todas as arenas da Copa 2014 pela crônica esportiva estrangeira presente no evento? Além da falta de interesse demonstrada pelas autoridades responsáveis, há também a indefinição de qual o destino socialmente útil e...Continue lendo

O advogado Pérsio de Oliveira Landim, presidente da subseção da OAB em Diamantino foi detido na tarde desta sexta-feira pelo delegado Fernando Fleury. na Delegacia de Santo Antonio do Leverger(35 kms da capital). O advogado é acusado pelo titular do Cartório de Leverger, o sr. Felix Alvares Gerônimo, do crime de extorsão. Acontece que o dono do cartório também chegou a ser detido, já que foi acusado pelo advogado Pérsio de ter forjado o flagrante para tentar incriminá-lo e escapar...Continue lendo

  Falar de Trump é fácil; quero ver é assumir o apoio ao golpe em terra nacional     Por Gibran Luis Lachowski     É ridículo o esforço das emissoras de tv que fazem parte do oligopólio midiático brasileiro deitarem a lenha contra o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.  Não convence.   Veículos de comunicação que apoiam com vigor uma camarilha golpista que assalta o Brasil a olhos vistos não têm moral para se levantar contra um...Continue lendo

A morte de Teori Zavaski Escrito por Miguel do Rosário, No blogue O Cafezinho   (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil) Abaixo, a notícia publicada na Agência Brasil, com os fatos. Vamos esperar assentar um pouco os boatos que se espalham por toda a parte. Um deles, já anunciado pelos canais oficiais do golpe, é de que Temer indicará imediatamente um novo ministro, e que este novo ministro será o responsável pela Lava Jato. Teori, apesar de obedecer, no geral, ao comando...Continue lendo

Mulher no cinema, um retrato fora de foco Tipy Hedren em “Os Pássaros”, de Alfred Hitchcock Histéricas, traiçoeiras, frígidas ou mães coragem: representação do feminino nas telas é preconceituosa e desigual — e nem Hitchcock escapa. É que mulheres não decidem o que vai para as telas Por Beth Sá Freire, no site Outras Palavras A primeira vez que me dei conta da má representação do feminino no cinema foi no Festival de Curtas-Metragens de Clermont-Ferrand, na França, em 2001,...Continue lendo

Leonardo Vieira fala de homofobia, família e inspirações nesta entrevista exclusiva  Diego Iraheta          diego.iraheta@brasilpost.com.br Nos palcos, ele interpreta um marido homofóbico, machista, cheio de preconceitos e paranoias. Na vida real, é ele o alvo de ofensas por sua orientação sexual, recém-revelada para o mundo, ao mesmo tempo em que é abraçado por uma imensa corrente de amor e apoio de fãs, amigos e até de um público que não o acompanhava tanto na TV Record, onde trabalha...Continue lendo

A SEGUNDA PROVA Por José Antonio Lemos No artigo anterior dedicado aos novos vereadores, falei em “vaiar e aplaudir quando for o caso” os políticos e logo entre amigos surgiu o argumento muito comum de que não se deve aplaudi-los quando fazem o correto porque estariam fazendo apenas sua obrigação e ganham bem para isso. Penso diferente já que no conjunto da participação consciente do cidadão o aplauso pode ser tão crítico quanto a vaia, esta crítica como desaprovação e...Continue lendo

A Corrida de Reis e a cidadania POR ADEMAR ADAMS Participei mais uma vez da Corrida de Reis e novamente constato que em meio à festa de milhares de pessoas, algumas coisas ruins podem ser anotadas. Começo lembrando que todos os anos o Estado, o Município e a Assembleia pagam meio milhão de reais, cada um, para aumentar a fortuna dos donos da TV Centro América, que fatura muito mais ainda com a programação por meses centrada no evento. Ouve-se...Continue lendo

Juristas ou vigaristas? POR PAULO LEMOS Olho de maneira bastante cuidadosa para justificativas de execuções dentro de presídios atribuídas única e exclusivamente às “guerras entre facções”, ou, quando do lado de fora, a “acerto de contas”. É o mesmo que diagnosticar toda e qualquer doença como sendo fruto duma “virose”. E assim, a violência como a doença, são naturalizadas, como se fossem inevitáveis e obra do acaso ou de algum problema circunscrito às partes, sem que o Estado ou a...Continue lendo